Primeiras Impressões | Home Economics – produção com potencial que vale seu tempo

O canal ABC virou a casa das comédias familiares. Nos últimos anos, eles trouxeram séries de grande sucesso como “Black-ish”, “Fresh Off the Boat” e “Modern Family”. A fórmula está lá, eles sabem como usar e sempre tentam abordar o subgênero com novas roupagens, trazendo novos temas à tona. Nem sempre o sucesso vem, mas temos boas opções. Nesta temporada, a nova aposta do canal americano é “Home Economics”.

A série acompanha a relação de três irmãos (interpretados por Topher Grace, Caitlin McGee e Jimmy Tatro) e a situação financeira de cada um: um pai solteiro, recentemente divorciado e extremamente rico; um escritor tentando escrever um novo best-seller depois do fracasso do último livro, classe média com três filhos; e a irmã desempregada, vivendo em um apartamento minúsculo com a esposa e duas crianças.

LesB Indica | Hannah Gadsby: Nanette – um especial de comédia onde rir pode se tornar opcional

Apesar de tentar abordar a conexão entre a família a partir de uma visão diferenciada, trabalhando em cima da classe econômica de cada um e a relação que eles tem com dinheiro, a série acaba caindo no básico. Neste primeiro episódio, não foi possível ver uma identidade marcante que consiga se destacar no meio de tantas outras produções com temáticas parecidas. Ela traz elementos que já estamos acostumados a ver em narrativas familiares e com uma forte influência de “Modern Family” na dinâmica entre os personagens.

Mesmo fazendo o básico, a série consegue entregar um bom básico. Em um episódio bem estruturado, “Home Economics” é aquele entretenimento que a gente busca em um tempo sem nada para fazer, uma trama para assistir sem grande compromisso, mas que vai conseguir (provavelmente) tirar um sorriso do seu rosto. E para um começo, isso pode ser o suficiente para manter o público enquanto encontra de fato o seu caminho, algo que genuinamente acredito que ela tem potencial.

Mesmo ainda faltando algo na identidade, a ideia de abordar a diferença econômica de cada família pode trazer uma sensação de realismo que por muitas vezes sinto falta em produções seriadas. Ela não tenta trazer o humor em cima da falta de dinheiro de forma exagerada, mas sim abordando problemas corriqueiros do dia a dia. Isso é algo que, se explorado da maneira certa, pode render excelentes discussões.

As 16 participantes LGBTQIA+ que já passaram pelo Big Brother Brasil

Além disso, “Home Economics” possui um elemento fundamental em séries familiares: a química do elenco. Não apenas entre os três irmãos, mas também nos casais. Karla Souza e Sasheer Zamata completam o elenco como as esposas de Tom (personagem de Topher Grace) e Sarah (interpretada por Caitlin McGee), respectivamente. A interação entre eles funciona perfeitamente, e até mesmo Tom, que com certeza é o personagem que mais me irritou neste primeiro episódio, conseguiu ter seus melhores momentos ao lado da esposa.

Preciso de um parágrafo apenas para elogiar Karla Souza. Sinceramente, não conseguia gostar dela em “How to Get Away with Murder”, mas aqui ela encontrou um excelente espaço e foi a melhor coisa deste começo da série. Ela tem um ótimo timing para a comédia e espero que a obsessão da personagem por podcasts de crimes ainda renda bons momentos.

Voltando para os casais, preciso destacar também Sarah e Denise (personagem da Zamata). É incrível poder ver um casal formado por duas mulheres em uma produção como essa. Apesar de parecer o mínimo a presença de pessoas LGBTQIA+ na televisão hoje em dia, mesmo assim ainda existem barreiras. Então ver uma comédia familiar, um subgênero que faz parte do cotidiano de todo fã de série, com um casal bem estabelecido, uma família, com filhos e tudo mais, é realmente algo importante. E isso entre o elenco principal, não apenas um coadjuvante.

LesB Indica | Minas do Hóquei – série retrata empoderamento feminino com excelência

Apesar de não conseguir se estabelecer como uma grande trama já em seu piloto (e convenhamos, isso não é uma tarefa fácil), “Home Economics” tem espaço para evoluir para algo além e conquistar de fato seu espaço. Não sei até que ponto a série vai conseguir sustentar esse plot da diferença econômica dos personagens, mas espero que eles consigam encontrar uma identidade e sair do mais do mesmo.

Grasielly Sousa

Jornalista nascida no Rio de Janeiro e atualmente morando em Fortaleza. Cresci assistindo filmes da Sessão da Tarde, Dragon Ball e Xena: A Princesa Guerreira. Constantemente falando coisas aleatórias sobre cinema, séries e tv e música.

Deixe uma resposta