Connect with us

Colunas

Pro Mundo (Out!) | Lucy Tara – representação positiva em séries policiais

Published

on

Depois do Pro Mundo (Out)! do mês de março apresentar a personagem Kate Whistler (Tori Anderson), esse mês vamos falar sobre Lucy Tara (Yasmine Al-Bustami), também da série “NCIS:Hawaii”, o par romântico de Kate.

“NCIS:Hawaii”, no ar com a sua segunda temporada, acompanha a equipe de investigadores do NCIS, que tem o trabalho focado em crimes relacionados a marinha americana. É a quarta série de uma longa franquia, e a primeira a ter personagens LGBTQIA+, em específico, duas mulheres sáficas, desde o começo da trama, em seu elenco principal.

Review | Daisy Jones and The Six – um exemplo de adaptação

Lucy Tara, agente júnior da equipe, é descrita pelos próprios colegas de time como feroz e pequena, o que resume bem a primeira impressão que se tem da personagem, é também amigável e falante, e quer resolver os crimes de qualquer forma e nem sempre tem paciência para esperar pelas burocracias.

Essa sua falta de paciência a coloca em situações difíceis com sua (não) namorada, Kate, que como oficial de inteligência é a pessoa que impede a equipe de acessar informações que, por mais que possam ser importantes para os casos, também são confidenciais. Isso faz com que a relação delas, no início da série, seja algo como um enemies to lovers, mas que, no “vai e volta” que tem a cada episódio, acabe não deixando ser nem totalmente enemies nem lovers, pelo menos por uma parte do tempo.

Além das suas características básicas, Lucy cresce com o passar da trama. A amizade que tem com os colegas, e a admiração por sua chefe e mentora, Jane Tennant (Vanessa Lachey), permite a ela mostrar o que é capaz como agente e como é uma pessoa doce e leal. Yasmine Al-Bustami também consegue trazer realidade para a personagem, caminhando facilmente entre o humor e o drama, dando a chance de Lucy ser grande parte do alivio cômico (parte importante para que não seja uma série tão pesada) e também uma das personagens a ter as cenas que mais passam revolta e tristeza, que também sentiríamos se estivéssemos em seu lugar. Isso faz com que a gente consiga, mesmo em um contexto tão distante do nosso, se aproximar de Lucy.

Lucy também é aberta quanto à sua sexualidade, e em momento algum isso é colocado como uma problemática, outro ponto positivo para a produção que, ao discutir o relacionamento amoroso entre as duas mulheres, não coloca isso como uma surpresa, uma descoberta ou até mesmo pontos de homofobia, apresentando como qualquer outro relacionamento, com suas qualidades e defeitos.

Outra informação importante é a origem da atriz, levada também para a personagem, que mesmo que tenha crescido nos Estados Unidos, tem origens Palestina e Filipina, sendo uma das pessoas não brancas, em uma trama que consegue apresentar diversidade de diferentes formas.

LesB Indica | A Favorita – filme premiado que merece sua atenção

Assim, Lucy Tara é uma mulher que sabe o que quer e luta para chegar nesse lugar, sendo também sensível e amigável. Mesmo tendo ações que nem sempre concordamos, conseguimos entender, exatamente por ser tão humana e tão fácil de se relacionar. Consegue ser assim não apenas uma das personagens mais adoradas de “NCIS:Hawaii” como de toda a franquia NCIS, e tem cada vez mais chance de ganhar espaço e desenvolvimento nas próximas temporadas.

Carol Moreno é estudante de psicologia, bissexual e do interior de São Paulo. Ama todos os filmes, séries e webseries com personagens LGBTQ+, espera um dia conseguir assistir tudo que coloca na sua listinha.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Colunas

LesB Indica | Jane The Virgin – série com 100% de aprovação no Rotten Tomatoes

Published

on

Já imaginou uma mulher latina e virgem, de uma família católica, de repente, aparecer grávida? Essa é a premissa de “Jane The Virgin”.

LesB Cast | Temporada 3 Episódio 14 – séries canceladas pt. 1

Jane Gloriana Villanueva (Gina Rodriguez), que era virgem, acaba engravidando por uma inseminação por acidente e como se não bastasse o erro médico, ela agora estava esperando um bebê do seu chefe e ex crush de uns anos antes, Rafael Solano (Justin Baldoni). Jane, que tinha um namorado, Michael (Brett Dier), e que estava tudo bem para o casamento dos dois, tem sua vida virada de cabeça para baixo por conta desse “acidente”, além de todas as outras tramas que estão acontecendo ao seu redor.

A responsável pela inseminação incorreta é Luísa Alves (Yara Martinez), irmã de Rafael e ginecologista. Luísa estava em um relacionamento sério com uma outra mulher até que na noite anterior a inseminação, ela descobre que estava sendo traída. Ela é consolada por Rose (Bridget Reagan), sua “madrasta” , mas segue extremamente abalada.

No dia seguinte, ela vai trabalhar completamente aérea, sem prestar atenção no que a enfermeira falava. Em uma das salas estava Jane, para uma consulta de rotina e na outra estava Petra (Yael Grobglas), sua cunhada, esperando pela inseminação. Mas Luísa só percebe o erro após o atendimento de Jane, e aí já era tarde.

Luísa é processada por negligência médica e Rose vira sua advogada. Elas tinham uma história antiga e mesmo com todo envolvimento de Rose com seu pai, elas continuam uma relação de várias idas e vindas.

Review | Sem Resquícios – Primeira Temporada

Outra personagem relevante para a história é Petra Solano, a mulher que deveria ter sido inicialmente inseminada. Petra, então casada com Rafael, tem na gravidez a única oportunidade de salvar seu casamento e ainda se manter segura financeiramente. Seus esquemas eram em parceria com sua mãe, mas Petra tinha um passado que nem Rafael conhecia, envolvendo sua identidade.

Gina Rodriguez, em 2014, ganhou o “Globo de Ouro” de Melhor Atriz em Série de Comédia ou Musical e a série chegou a ser indicada como Melhor Série de Comédia ou Musical. As cinco temporadas atingiram 100% de aprovação no Rotten Tomatoes e estão disponíveis na Netflix.

Continue Reading

Colunas

LesB Indica | Girlfriend and Girlfriend – filme com protagonista divertida e “emocionada”

Published

on

“Girlfriend and Girlfriend” é um filme de comédia espanhol que apresenta Zaida (Zaida Carmona), uma mulher com a vida amorosa bem confusa e que comete erros por gostar demais das pessoas. Apaixonada por cinema e por música, a protagonista parece estar mergulhada em seu próprio drama romântico enquanto tenta arrumar as bagunças que os amores deixam nela.

LesB Cast | Temporada 3 Episódio 12 – o que achamos da segunda temporada “Tudo Igual… SQN”

Com idas e vindas, amores repentinos e desilusões, o longa, aos poucos, apresenta as outras personagens que farão parte da jornada de Zaida: Rocío (Rocío Saiz) é a melhor amiga de Zaida e está em um relacionamento sério (e monogâmico) com Lara (Alba Cros); e mais duas mulheres integram esse grupo: Aroa (Aroa Elbira) e Julia (Thais Cuadreny). Elas vivem na companhia umas das outras suprindo na amizade (às vezes, colorida) as dificuldades dos amores.

Zaida, a protagonista da história, tenta a todo custo superar sua ex, ela só não contava por quantas mulheres ela precisaria “morrer de paixão” para que isso acontecesse. A cada fase de “Girlfriend and Girlfriend”, ela encontra um novo “gosto de você de verdade” e, em um tom cômico, as histórias vão se desenrolando das melhores e piores formas.

Com direção e roteiro de Zaida Carmona, o longa é ambientado na Espanha, mostrando o dia a dia das mulheres com o contraste dos encontros noturnos nos “points” lésbicos da cidade. Com um grande foco nas artes, a história demonstra a importância da música, do cinema e das produções independentes para o grupo de amigas, pois, além do carinho, é a arte que as une e de certa forma, é o que desperta todos os sentimentos nelas.

Crítica | Brenda Lee e o Palácio das Princesas – um musical bibliográfico que vale a pena

“Girlfriend and Girlfriend” vale a pena ser conferido, pois traz um tom cômico aos desencontros e as (des)paixões ao longo da vida. Retrata, sob o ponto de vista de mulheres lésbicas, as diferentes formas de amar e suas diversas intensidades. Com uma protagonista divertida e “emocionada”, e com duração de uma hora e meia, o filme é uma boa opção para se identificar e rir. A produção está disponível no Brasil pelo canal de streaming MUBI.

Continue Reading

Colunas

LesB Saúde | Prevenção de ISTs para mulheres

Published

on

As campanhas divulgadas quanto a prevenção das infeções sexualmente transmissíveis (ISTs), que trazem informações importantes, acabam focando em um contexto heteronormativo, falando em geral de sexo entre homens e mulheres e ignorando a diversidade dos relacionamentos.

Mulheres LGBTQIA+ também podem contrair e passar ISTs, independente do gênero da pessoa que está se relacionando, e por isso precisamos pensar na sua saúde e nas possíveis formas de prevenção. Por conta disso, vamos discutir alguns métodos de prevenção a ISTs, para relações com pessoas com vagina ou para pessoas com pênis.

Vamos começar pelo método mais divulgado e muito importante, mas, que, de uma forma ou de outra, se relaciona com indicações heteronormativas: o preservativo “masculino” (ou para pênis), a famosa camisinha. A camisinha é o método indicado para a prevenção de ISTs ao se realizar sexo com pessoas com pênis, é fácil de ser encontrada em centros de saúde e em farmácias, e também evita gravidez. A camisinha também é importante ao se utilizar brinquedos sexuais, para a proteção local na qual o brinquedo está sendo usado, e quando houver o uso em uma outra pessoa (lembrando que neste último caso é importante a troca do preservativo para que a proteção realmente aconteça e não haja troca de fluidos). É possível, também, para uso em sexo oral, o corte do preservativo, para que ele se torne retangular – infelizmente um uso pouco prático.

LesB Cast | Temporada 3 Episódio 11 – nossos pitacos sobre “Operação: Lioness”

Mas existem métodos focados em pessoas com vagina? A resposta é sim, mas, infelizmente, eles são pouco conhecidos ou acessíveis. O primeiro, mais fácil de encontrar, pois existe a distribuição gratuita em centros de saúde e a venda em farmácias, é o preservativo feminino, indicado para sexo com penetração, mas possíveis para outros usos. Em seguida, pensamos em métodos barreira, como o uso de luvas de látex, vinil ou nitrílica (é possível encontrar em farmácias ou lojas de instrumentos de saúde) e o dental dam (acessório odontológico, que é um pedaço de látex retangular, que evita o contato direto com o local colocado, em geral indicado para uso na vulva ou ânus). Nos Estados Unidos foi liberado a venda e o uso de uma calcinha preservativa, para o sexo oral, que parece trazer inovação para a prevenção nas relações sexuais. No entanto, o produto ainda não chegou ao Brasil, sendo apenas possível comprar pelo site da empresa com pagamento em dólar.

Por conta dessa dificuldade de acesso aos métodos, é importante lembrar de outras formas que podem ajudar a prevenir as ISTs: o primeiro é a a realização da testagem de ISTs, pelo menos, a cada seis meses, e é possível conseguir de forma gratuita pelo SUS. Além disso, caso tenha qualquer situação fora do comum, como machucados, verrugas, dor, diferença em odor, procure um atendimento em saúde e evite ter relações sexuais.

Ainda nessa linha, a vacina de HPV é importante para que se evite câncer de colo de útero proveniente do Papilomavírus Humano, transmitido em relações sexuais. É possível conseguir pelo SUS dependendo da idade da pessoa e em clínicas privadas.

Resenha | De repente, namoradas – um romance leve que vale a pena

Em momentos anteriores a relação sexual, pode se tomar o cuidado em manter as unhas curtas, para que não haja lesões, e a não escovação dos dentes logo antes do sexo oral, para que não tenha risco de ocorrerem machucados na boca que facilitem a entrada de algum vírus ou bactéria.

Para o momento das relações sexuais, citamos mais algumas prevenções: o primeiro é a lavagem das mãos. Além disso, o uso de lubrificante à base d’agua é importante, principalmente para práticas que tenham atrito.

Mesmo com dificuldade de acesso a métodos específicos para a nossa população, mulheres LGBTQIA+ podem e devem tomar cuidados para se prevenir contra ISTs, tornando suas relações mais seguras e cuidando da sua saúde de forma integral.

Continue Reading

Bombando

%d blogueiros gostam disto: