Connect with us

Colunas

No Diário (Out!) | Nesta data querida

Published

on

Dizem que aos 27, iniciamos um ciclo importante. Dizem que é quando começa a velhice. Dizem também sobre maldição. Dizem um monte de coisas. Eu não sei ao certo – como uma boa libriana – no que acredito, mas o fato é que nessas vésperas o barulho tem sido intenso aqui por dentro.

Felizes para Sempre – desejo, traição, liberdade e corrupção

Setembro é o mês do meu aniversário. Eu amo aniversários. Escrevo esse texto, portanto, no meu inferno astral. Nos últimos dois anos, abracei um convite – a contragosto – para um mergulho nas vísceras de mim. Uma inundação de reconexão com quem eu sou, fui e quero ser.

Eu sou feita de amores.

Dos que vivi e dos que quimerizei.

Para mim sempre foi muito difícil equilibrar vida e amor. Como se pudessem se dissociar… Sempre que o encontro, deserto-me à deriva em nome de amar. Afinal, o que poderia ser mais importante do que ele?

O amor.

A audiência em torno do primeiro amor é indiscutível. A primeira vez que se ama é, aparentemente, um marco unânime da existência humana. Não discordo, mas me reservo um papel que desempenho com gozo: a advogada do diabo.

A primeira vez em que se é amado é o marco unânime da existência humana. Eu sei bem, porque a mim foi dedicado um amor doce e gentil.

Resenha | Recomenda-se andar acompanhada – onde amor e assassinatos caminham de mãos dadas

Meu primeiro amor casou.

Confesso que meus chakras desalinharam e eu fiquei tentando entender o motivo. Afinal, já se vão treze anos e grandes outros amores na bagagem.

No dia do término, eu disse que talvez me arrependesse para sempre daquela decisão, mas eu não cabia ali. A gente tem uma certa obsessão pelo sempre, né? É verdade que me arrependi um pouco depois, não quis dar o braço a torcer e sofri.

Um dia ele me disse:

Você quem terminou, você quem pede para voltar, eu não vou pedir.

Sempre soube que o raciocínio era legítimo, mas o ego é uma coisa doida…
Eu pensava:

Também não peço.

Depois desse dia aprendi a nunca mais fingir costume com o amor. Perde não é quem dá, é quem não sabe receber. Eu ainda vou repetir muito isso aqui.

Perdi mesmo.
Ganhei um monte de coisa também.
E não trocaria nada que me trouxe até aqui.

Eu sou feita de amor porque a cada novo, conheço mais de mim e tenho a chance de ser melhor.
Eu sou feita de amor porque eles contam a minha novela.
Eu sou feita de amor porque colhi amores bonitos que me ajudam a reconhecer não amores disfarçados por aí.
Eu sou feita de amor porque eles são o propósito da caminhada.

LesB Indica | The 100 – perfeita para quem ama séries pós-apocalípticas

Que o amor me conceda toda abundância que só ele é capaz.
Que a gente transborde amor em suor lambuzado nas ruas desse país.
Que se inicie a jornada de descobrimento do cabalístico vinte sete.

Amém.

Rebeca Figueiredo é atriz, comunicóloga (UFMG) e aspirante à escritora. No universo das câmeras, é uma das idealizadoras do coletivo audiovisual Grilla! e vive a personagem Raphaela na websérie independente Magenta, da Linha Produções. A mineira, de Belo Horizonte, é apaixonada por séries, astrologia e política.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Colunas

LesB Indica | Meu Primeiro Verão – filme sobre descobertas no luto

Published

on

“Meu Primeiro Verão” é um filme de drama australiano que acompanha a história de Claudia (Markella Kavenagh) e Grace (Maiah Stewardson), duas adolescentes de realidades e personalidades completamente diferentes, que se conhecem em meio a uma tragédia. A partir disso cresce um sentimento de amizade e de cuidado entre as duas.

LesB Indica | Descobertas do Amor – um romance adolescente sobre o primeiro amor

Claudia cresceu em um mundo criado por sua mãe que acreditava que todos os seres humanos eram cruéis, por isso ela esteve isolada por longos anos sem conhecer outras pessoas ou viver de verdade. Grace vem de uma família problemática, um mundo em que não é verdadeiramente amada. Depois que as duas garotas se encontram, ambos os mundos parecem fazer sentido novamente. De algum jeito, uma começa a completar os vazios da outra e o que era uma amizade vai se tornando algo novo que as jovens ainda desconhecem.

LesB Cast | Temporada 2 Episódio 05 – Yellowjackets, primeira temporada e nossas teorias para a segunda

Com direção de Katie Found, o longa-metragem se passa em uma área rural onde as casas são distantes umas das outras, o que favorece o crescimento dessa relação. Assim, Claudia começa a conhecer o mundo através dos olhos de Grace, e passa a se abrir a novas realidades que ela jamais seria capaz de conhecer sozinha. Desta forma, “Meu Primeiro Verão” mistura a descoberta do mundo por causa do luto e ao mesmo tempo no luto.

O filme retrata duas adolescentes que buscam na companhia uma da outra amenizar traumas que apenas elas que vivem podem compreender. Conectadas através do afeto e da empatia que construíram em tão pouco tempo, elas são movidas através de uma narrativa sensível contrastando seus medos e inseguranças, curiosidades e alegrias.

Review | The Wilds – Segunda Temporada

O longa-metragem não é sobre um casal, mas sobre duas jovens que se descobrem e desvendam o mundo juntas, e vale a pena ser conferido, afinal, traz em sua narrativa reflexões sobre diferentes visões de mundo entrando em harmonia e trata também de responsabilidade afetiva. “Meu Primeiro Verão” estreou em 2020 e hoje está disponível no Brasil através do canal de streaming Filmicca.


Você sabia que o LesB Out! tem uma revista digital?! Confira clicando aqui!

Continue Reading

Colunas

LesB Saúde | A construção da identidade de pessoas LGBTQIA+

Published

on

A construção da identidade pessoal é um processo tanto individual quanto coletivo, influenciado pelo contexto histórico e pela cultura de onde cada um está inserido. Essa construção ocorre desde o início do desenvolvimento infantil, mesmo com a influência de múltiplos fatores e com as diversas mudanças que podem aparecer durante a vida, as marcas do processo inteiro continuarão presentes.

Editorial | Quatro anos do LesB Out! e novidades

Esse processo de construção identitário para grupos considerados minorias se relacionam diretamente com situações estressoras, por estarem expostos a violência, implícita e explícita. Para a população LGBTQIA+, algumas dessas situações de violência são mais específicas, como a dificuldade de aceitação por parte de pessoas próximas e distantes, e a perspectiva de que a vida não se encaixa no padrão que a sociedade impõe como “normal”. 

Esses estressores têm um impacto direto na saúde, tanto física quanto mental dos indivíduos, sendo agravantes, ou até precursores, para ansiedade, depressão, e até Transtorno de Estresse Pós-Traumático. Além disso, os impactos podem aparecer de outras formas, como a perspectiva de ter perdido partes da vida ou só conseguir viver da forma que gostaria mais velhos, o que aparece em frases como “só consegui viver minha adolescência depois que virei adulto”. Assim, todo o processo de crescer, entender seu gênero, entender sua sexualidade, e se entender como indivíduo, pode ser mais complexo e envolto de sofrimento do que para aqueles que se encaixam em todos os padrões.

LesB Saúde | Rede de Apoio – vínculos entre a população LGBTQIA+

Isso não quer dizer, no entanto, que ser LGBTQIA+ é um gerador de sofrimento. Primeiro, o que leva a qualquer dor relacionada a isso é como o entorno lida com o que é considerado diferente. E em segundo lugar, ter pessoas e locais que apoiam e não excluem essa população já é um fator de proteção que tem um grande impacto positivo, mitigando parte das questões danosas que podem ser geradas por diferentes contextos.

Discutir esse assunto não deve servir para simplesmente gerar incômodo, mas sim para gerar reflexão tanto dos processos que passamos para termos chegado em quem somos hoje, quanto em como podemos pensar no coletivo, para que outras pessoas não precisem passar pelos mesmos estressores. Assim, com certeza é de extrema importância lutar contra situações de injustiça e violência, além da busca por maiores direitos, para que mudanças em um âmbito maior ocorram, contudo, o oferecimento de espaços seguros e a formação de redes de apoio, dentro e fora da comunidade LGBTQIA+, já geram grande impacto.


Você sabia que o LesB Out! tem uma revista digital?! Confira clicando aqui!

Continue Reading

Colunas

Editorial | Quatro anos do LesB Out! e novidades

Published

on

Hoje o LesB Out! completa quatro anos de existência e decidi quebrar a quarta parede (risos) e começar este texto agradecendo a todos vocês que nos acompanham, interagem conosco nas redes sociais – ou por aqui ou pelo e-mail – e confiam no trabalho que estamos realizando.

Este veículo de comunicação tem sido uma jornada incrível desde o dia um. E é de suma importância saber a diferença que ele faz na vida das pessoas que colaboram para que ele possa existir. O site surgiu da ideia de criar conteúdo de qualidade para o público feminino LGBTQIA+ e também de ser um espaço seguro para pessoas LGBTQIA+.

LesB Cast | Temporada 2 Episódio 04 – o protagonismo feminino LGBTQIA+ na “Shondaland”

Temos precaução com todo conteúdo que levamos ao ar, realizando uma verdadeira curadoria. Aqui trabalhamos com fact-checking, em que todos os nossos conteúdos são verificados, passando por processos de edição e combatendo as fake news. Ademais, nos preocupamos em oferecer um conteúdo transparente sempre em busca de pautas que possam agregar e gerar debates na comunidade feminina LGBTQIA+.

Estamos e estaremos sempre atentas e prontas para agregar positivamente a conversa na nossa comunidade!

Dito isto, gostaria de anunciar três novidades que nos dedicaremos, além das que vocês já estão acostumados, pelos próximos meses.

1. Revista 2.0

SIM! Teremos uma segunda edição da Revista LesB Out!. No início do mês de junho de 2021 anunciamos que lançaríamos a primeira revista brasileira feita por mulheres LGBTQIA+ para mulheres LGBTQIA+, como uma extensão do nosso site. A revista foi ao ar em agosto e já alcançamos mais de 5000 visualizações. Com isso em mente, decidimos fazer mais uma edição e em breve divulgaremos a data.

2. Podcast Semanal e Edições Especiais

Em junho o nosso LesB Cast, que retornou recentemente, permanecerá sendo semanal e saindo todos os domingos às 19 horas. A princípio, o podcast aconteceria de 15 em 15 dias, após o mês do aniversário, contudo, decidimos mantê-lo como semanal trazendo diferentes temas para debatermos.

Estamos sempre pensando na melhor forma de trazer conteúdo para vocês e por esta razão, o LesB Cast ganhará dois quadros especiais: o primeiro, com o nome de “Extrato da Semana”, será um podcast semanal, tendo início no dia 3 de junho, de até 25 minutos, em que falaremos sobre as novidades da semana no universo de cultura pop LGBTQIA+. O segundo será um quadro mensal com o nome de “O que estamos lendo?”, em que conversaremos brevemente, por no máximo 25 minutos, sobre o livro do mês do nosso Clube do Livro.

Review | Heartstopper – Primeira Temporada

Além dessas novidades, teremos outras que em breve anunciaremos para vocês – fica o mistério (risos). Espero que tenham gostado! E novamente, obrigada por tornarem a existência do LesB Out! uma realidade.

Continue Reading

Bombando

%d blogueiros gostam disto: