Resenha | Todos os meus humores – poesias para serem lidas mais de uma vez

Ficha Técnica
Livro: Todos os meus humores
Autora: Dia Nobre
Editora: Penalux
Número de Páginas: 112
Ano de Lançamento: 2020


Primeiro livro literário da poeta e historiadora cearense Dia Nobre,Todos os meus humores é uma obra híbrida, intercalando poesia e prosa, característica marcante na escrita da autora, que em maio de 2021 publicou seu segundo livro de caráter literário, “No útero não existe gravidade“.

Crítica | Rua do Medo: 1666 – a coroação de uma trilogia de terror

“Todos os Meus Humores” é baseado na teoria humoral da medicina galena, em que a saúde humana era mantida em equilíbrio entre o sangue, a fleuma, a bílis amarela e a bílis negra, cada qual com qualidades e características próprias. Quando esses humores estão em desequilíbrio, surgem então as doenças e a febre, como uma reação do corpo, para eliminar os excessos e reestabelecer o balanceamento e o equilíbrio do organismo.

Dividida em quatro partes: sanguínea, fleumática, colérica e melancólica, a obra de Dia Nobre é repleta de textos e poesias que exploram essas oscilações de humores, que permeiam o dia-a-dia, não só do eu-lírico, como no da autora e das leitoras, afinal, quem nunca se sentiu triste, alegre, eufórica, melancólica, tudo no mesmo dia?

“em cada pedaço de mim

 grita uma voz

de mulher

 das mulheres que fui

 em outras vidas 

talvez

(…)

nem santa nem doida, uma boneca russa”

LesB Indica | Princess Cyd – um clichê com amor de verão

Através da poesia, uma das linguagens literárias mais poderosas, Dia Nobre transborda e passeia entre os corpos e espaços marginalizados. As faces da mulher lésbica, nordestina, taxada de histérica, louca, vítima dos abusos duma sociedade machista e excludente, mas que ainda insiste em ser ela mesma e em ser livre para amar, se encontram em sua poética de (r)existência, potencializando a coletividade dessas experiências.

“prefiro me curvar à palavra

do que à vontade de deus

não carrego mala ou cruz

não me importam as pedras 

as transcendo na ponta de minha caneta.

sou eu que escrevo minha história

que um dia minhas filhas hão de ler

e saber que eu fui uma mulher

que driblou o destino.

– quando a bruxa escapa da fogueira”

A Maldição da Mansão Bly – Dani e Jamie, simplesmente esplêndidas

Em “Todos os Meus Humores” nos deparamos com um eu-lírico feminino, que poderia ser qualquer uma de nós, sobrevivendo ao enfrentamento cotidiano de violências de gênero e sexual enquanto vivemos nossas “paixões proibidas”. No geral, um livro para se ter ao alcance dos olhos a qualquer momento do dia, porque, acredite, uma só leitura não será suficiente!

Shirley Pinheiro

Caririense com orgulho, é graduanda em Letras pela Universidade Regional do Cariri, mas "com diploma de sofrer de outra universidade". É amante de séries, livros, música e poesia. E o que lhe dá prazer é estudar literatura nordestina, ouvindo Belchior e tomando um delicioso suco de manga.

Deixe uma resposta