As Five – série brasileira que merece toda sua atenção

E não é que elas estão de volta? E assim ganharemos uma nova temporada em 2022. Sim, já temos confirmadas a segunda e terceira temporada de “As Five”.

As Five” é uma obra criada e escrita por Cao Hamburger, Vitor Brandt, Jasmin Tenucci, Luna Grimberg e Ludmila Naves. Dirigida por Rafael Miranda, Dainara Toffoli e Natália Warth.

LesB Indica | Lírios D’Água – narrativa explora a construção da imagem do adolescente

Com dez episódios, vemos a jornada das cinco amigas que conhecemos em “Malhação – Viva a diferença” após seis anos da novela. O reencontro delas aos 25 anos acontece diante de tantas mudanças, contradições e incertezas em meio a vida adulta que enfrentam agora.

Conhecemos elas no ensino médio e hoje elas não são mais as mesmas. Passaram por descobertas, aceitações e continuam se redescobrindo. É uma temporada e tanto, e aborda tantos pontos importantes dos rumos de cada vida, com as suas possibilidades e desafios, além de rever diversos outros personagens aos quais sentimos tantas saudades.

Vamos falar primeiramente da Tina (Ana Hikari) – a que sempre foi pressionada pela mãe, hoje se vê com dificuldades de lidar com esta perda, sentimos que ainda havia muito a ser dito por ela. Com uma relação desgastada, e uma vida monótona, eu diria, ela vê no reencontro com as meninas uma oportunidade de forças para enfrentar seus conflitos internos e externos. E a “fuga” da realidade que ela tenta vivenciar todas as noites acaba se tornando algo com o que ela aprenderá a lidar de frente, com o apoio e acolhimento que precisava há tanto tempo.

Resenha | Rádio Silêncio – uma história intensa e dolorosa

Keyla (Gabriela Medvedovski) – no caso dela, vemos as voltas que uma mãe solo precisa dar para criar o seu filho, para colocar comida na mesa e diversas prioridades. Os tantos desafios de ser uma mãe jovem, de ter se privado, e continuar se privando, de certas ações e projetos pela criação do seu filho. A partir do reencontro com as amigas, ela consegue lembrar que é uma mulher e que merece ser amada, rir, conhecer pessoas e que não é apenas uma mãe, mas uma mulher que precisa viver a vida com todas as possibilidades que o mundo permite, da importância de ir atrás dos seus sonhos e vivê-los. 

Benê (Daphne Bozaski) – ela vive uma jornada de descobertas. Entre tentativas de se soltar, ser leve e conhecer novas pessoas com quem possa criar uma conexão, o reencontro com as amigas de escola faz ela entrar em uma jornada de novas experiências. O mais legal é ver como ela está disposta ao novo e aos desejos que sempre teve medo de experimentar.

Ellen (Heslaine Vieira) – a mais dedicada no seu futuro profissional, noiva e com uma nova cultura, ela é a que mais me encantou pelas mudanças e questionamentos que surgiram. Vemos o quão a sua carreira profissional a fez mudar, mas eu não diria só a carreira, mas toda a sua luta como mulher, negra e periférica, e como a sociedade a encara, como a voz tem que ser mais potente e mais rígida para ser ouvida. Afinal, é o estereótipo que convivemos no nosso dia a dia, que para uma mulher ser respeitada como profissional, ela deve ser grossa, sólida e potente. Caso contrário, nunca será ouvida, tendo que provar dez vezes o que um homem prova apenas uma única vez.

Resenha | Com Amor, Creekwood – um presente para os fãs do Simonverso

Vemos o quão ela se dispersou das suas origens, doçura e leveza, que ao lado das amigas e novo encanto, acaba se conectando a si mesma e passa a questionar-se sobre o rumo que a sua vida tomou.

Lica (Manoela Aliperti) – a descolada que não liga para conexões amorosas a ponto de se casar com alguém, continua sendo a mulher intensa e desprendida de sempre. Mas que, ao mesmo tempo, não consegue ser adulta, lidar com coisas mínimas como cuidar da sua casa, ir em busca dos seus objetivos e projetos, continuando a viver dentro da sua bolha social, cultural e sendo a privilegiada que não precisa se questionar para conseguir algo ou lutar de verdade. Entre amores e situações engraçadíssimas, vemos Lica se envolver em um triângulo amoroso, sem saber. 

Seu final de temporada nos traz uma reviravolta que nos faz questionar os caminhos que a vida nos leva até chegarmos aonde devemos estar. Será que a maturidade chegou? E quando é que ela chega afinal? 

Bateu aquela curiosidade, certo? 

Pois bem, a série está com a sua temporada completa no Globoplay e na TV aberta da Globo toda terça e quinta após “Verdades Secretas”. 

Digam-me, como foi reencontrar essas mulheres e ver as novas realidades que elas estão vivendo?

Viviane Marques

Viviane Marques é paulistana, formada em marketing e amante da arte. Atualmente estuda teatro para formação e é bailarina por paixão. Vive em constante desconstrução e escrever é uma forma de sobreviver ao dia a dia e as constantes mudanças no mundo.

Deixe uma resposta