Review | The Bold Type – Segunda Temporada

[Este texto contém spoilers]

A segunda temporada de “The Bold Type” chegou ao fim há quase um mês e como em sua temporada de estreia, apresentou durante 10 episódios diversos temas relevantes de forma leve, divertida e surpreendente. Entretanto, o plot do casal LGBTQ+ “Kadena” (Kat e Adena) deixou a desejar.

Cinco webséries internacionais que você precisa conferir

“The Bold Type” é uma série do canal Freeform inspirada na vida da ex editora-chefe da revista Cosmopolitan, Joanna Coles. A trama se passa em Nova York e acompanha a vida de três melhores amigas: Jane Sloan (Katie Stevens), Kat Edison (Aisha Dee) e Sutton Brady (Meghann Fahy), que trabalham sob o comando da editora-chefe da Scarlet Magazine, Jacqueline Carlyle (Melora Hardin).

O casal Kat e Adena (Nikohl Boosheri), apresentado desde o episódio piloto, é com certeza um dos meus casais preferidos da televisão. Na temporada inicial, a série surpreende ao explorar temas muito importantes e, enquanto as personagens estão apenas se conhecendo, já enfrentam altos e baixos com a política de imigração dos Estados Unidos, preconceito, intolerância religiosa, etc.

Havia é claro grande expectativa sobre o rumo que o casal Kadena teria na segunda temporada da série. E talvez pela grande expectativa, a decepção foi quase maior.

Sapatiei! Cinco personagens lésbicas em produções cinematográficas

No início da segunda temporada, Kat e Adena estão juntas, bem e felizes como nunca. Aparentemente Kat perde o medo de compromisso que tinha antes, apresenta a fotógrafa como sua namorada para os pais e as duas formavam o único casal da série que seguia firme e forte. É no episódio 2×06 chamado “The Domino Effect” que, na tentativa de fazer Kat explorar sua sexualidade, a série falha ao introduzir um repetitivo plot de traição que já cansamos de assistir em produções LGBTQ+.

Na verdade, a ideia de um relacionamento aberto para que Kat pudesse explorar sua sexualidade com outras mulheres não é das piores, pelo contrário, era necessário e poderia ser muito interessante se feito com cuidado. Infelizmente a narrativa foi iniciada com uma traição desnecessária, mal escrita e apresentada apenas para criar um empecilho, um drama para o casal. Além disso, no último episódio, Adena revela que se sente presa e precisa de um tempo, logo quando Kat se encontra e decide o que realmente quer. Com isso, a história de das duas na segunda temporada acabou do mesmo jeito que na primeira: complicada e com possibilidades em aberto sobre o futuro do casal para a terceira etapa, que já foi confirmada para 2019.

Pro Mundo (Out!) | A importância de Kate Kane para a comunidade LGBTQ+

É preciso dizer que apesar da história entre Kat e Adena, “The Bold Type” entregou uma segunda temporada incrível, realista, talvez até melhor que a primeira, visto que a série é acima de tudo sobre amizade e companheirismo entre as três protagonistas: Jane, Kat e Sutton. Neste ponto, a produção não falha. Enquanto a série aborda discussões pesadas como assédio sexual, porte de armas, religião, sexualidade, etc, as três protagonizam diálogos emocionantes que nos mostram a importância da amizade e apoio entre mulheres.

Mariana Tofanelo

Mariana Tofanelo é estudante de Geografia. Ama séries de TV, literatura e filmes de animação. Ela é do Paraná, mas no momento reside em Goiás.

Deixe uma resposta