Resenha | Amor(es) Verdadeiro(s) – será possível amar duas pessoas ao mesmo tempo?

Ficha Técnica
Livro: Amor(es) Verdadeiro(s)
Autor: Taylor Jenkins Reid
Editora: Paralela
Número de Páginas: 356
Ano de Lançamento: 2020


Taylor Jenkins Reid ganhou meu coração com seu livro “Os sete maridos de Evelyn Hugo”, então fiquei muito empolgada com a possibilidade de ler mais um título da autora. Desta vez foi “Amor(es) Verdadeiro(s)”, lançamento da editora Paralela, que acompanha a trajetória de Emma Blair, uma mulher de trinta e poucos anos, que perdeu o grande amor da sua vida há alguns anos e precisou reconstruir toda sua vida depois desse acontecimento.

Resenha | Controle – narrativa leva o leitor a uma viagem para dentro de si

Emma sempre quis conhecer o mundo todo e quando ela conheceu Jesse, ainda no colégio, que compartilhava dos mesmos desejos que os seus, foi como se tivesse sido amor à primeira vista. Eles se casaram quando tinha vinte anos e fugiram de todas as expectativas que seus pais criaram para suas vidas. Mas quando estão prestes a completar um ano de casados, uma tragédia acontece, e simples assim, a vida da jovem muda para sempre.

Depois de alguns anos de luta, esforço e amor de sua família, ela conseguiu, aos poucos, superar o luto e colocar sua vida de volta aos trilhos. E é assim que ela volta a sua cidade natal, reencontra um velho amigo, Sam, e sem perceber e a pequenos passos, ela se encontra se apaixonando novamente e abrindo seu coração mais uma vez para amar.

LesB Indica | Vita e Virginia – um romance nas entrelinhas

“Quando amamos alguém, isso transparece em tudo o que fazemos, transborda em tudo o que dizemos, se torna uma realidade tão palpável que vira uma coisa corriqueira para falar, por mais extraordinário que seja o sentimento por trás das palavras.”

Emma sempre acreditou que a vida das pessoas é dividida entre dois momentos que cria um “antes” e um “depois”. E para ela, poderia ser um acontecimento trágico ou algo maravilhoso, e bom, ela sempre achou que seu momento foi quando o grande amor da sua vida morreu. Porém, tudo muda quando ela descobre que na verdade, todos esses anos ele esteve vivo. Então, com certeza, este é seu momento.

Resenha | Depois daquele beijo – narrativa fluida com algumas falhas

Dessa forma, a jovem se encontra em uma situação que nunca imaginou que estaria. Como escolher entre seu marido ou seu atual noivo? Como lidar com essa situação sem magoar algum dos seus dois grandes amores? A história contada por Taylor Jenkins Reid é delicada e sensível. Você embarca em um mar de sentimentos vividos por Emma, emoções estas muitas vezes angustiantes e sofríveis, mas completamente humanas. A jornada da personagem é simplesmente sobre autodescoberta, amadurecimento e claro, amores.

“As coisas boas não esperam até a gente estar pronto. Às vezes chegam antes, quando estamos quase lá.”

“Amor(es) Verdadeiro(s)” foi publicado primeiro, internacionalmente, que “Os sete maridos de Evelyn Hugo” (2017) e “Daisy Jones & The Six: Uma história de amor e música” (2019), então a escrita da autora não está tão bem construída quanto suas últimas obras, mas ainda assim, ela elabora a narrativa de forma que te faz não querer largar o livro. É simplesmente viciante e a curiosidade aqui, ainda continua sendo sua força motriz. Quem a personagem principal irá escolher: Jesse ou Sam?

Review | Harley Quinn – Primeira Temporada

A única coisa que incomoda no livro é que, mesmo que a história seja focada na vida de uma mulher dividida entre dois grandes amores, quando se é inserido personagens secundários em uma narrativa, espera-se um maior desenvolvimento e engajamento com elas. No caso em específico, o livro tem muito pouco disso. O drama da sua irmã Marie e suas sobrinhas, ou até mesmo sua melhor amiga Olive (personagem assumidamente bissexual) são assuntos que despertam a curiosidade do leitor, mas que não são bem explorados.

De modo geral, a trajetória de Emma Blair surpreende, devido todas as suas emoções e sentimentos que sua história desperta, até porque superar a perda é difícil e dolorosa, e lidar com o fato que na verdade você superou uma dor que nunca deveria ter tido é mais complicado ainda. Esta leitura, com certeza, não decepciona.

“Acho que amor verdadeiro significa amar de coração. Amor puro e simples. Amor por inteiro.”


Obs.: livro cedido pelo Grupo Companhia das Letras para resenha.

Bruna Fentanes

Bruna Fentanes

Baiana, designer e estudante de jornalismo. Acredita que vive em seu próprio conto de fadas e se divide entre suas duas obsessões: livros de romance e séries teen.

Deixe uma resposta