Resenha | Os sete maridos de Evelyn Hugo – quem é o grande amor da sua vida?

Ficha Técnica
Livro: Os sete maridos de Evelyn Hugo
Autor: Taylor Jenkins Reid
Editora: Paralela
Número de Páginas: 360
Ano de Lançamento: 2019


“Porque eles são só maridos. A Evelyn Hugo sou eu.”

O romance “Os sete maridos de Evelyn Hugo” foi primeiramente lançado aos assinantes da TAG Inéditos, e posteriormente foi publicado pela Editora Paralela. O livro fez muito sucesso no ano passado e ainda existe um burburinho a respeito da sua história, mas, para mim, que até uma semana atrás nunca tinha ouvido falar na autora Taylor Jenkins Reid, se tornou realmente surpreendente e fiquei completamente obcecada pela história de Evelyn Hugo já em suas primeiras páginas.

Especial | Oito autores que valem a pena conhecer durante a quarentena

Já de início conhecemos Monique Grant, jornalista há mais de uma década, que trabalha na Vivant há menos de um ano produzindo matérias que considera insignificantes para a sociedade. Então, imagine sua surpresa quando sua chefe Frankie a informa que a famosa Evelyn Hugo pretende dar uma exclusiva para a revista, contudo tem uma condição, que Monique faça a entrevista. Claro que sua chefe tenta trocar por outros profissionais mais qualificados, porém a recusa da assessoria de Hugo é imediata.

No dia anterior a entrevista, a jornalista lê todo tipo de artigo e matéria referentes a atriz e tenta se preparar para arrancar informações preciosas referentes sua vida pessoal e seus sete maridos. Com setenta e nove anos, Evelyn Hugo, uma mulher poderosa e autêntica, é considerada uma deusa das telas do cinema (quase uma lenda viva) desde a década de 1950 quando estrelou pela primeira vez. E a pergunta de um milhão de dólares que sonda toda uma plateia de curiosos é: Quem é o grande amor da vida de Evelyn Hugo?

Lesb Indica | Aceleradas – nova série mexicana com referências a Frida Kahlo dá aula sobre feminismo

“Ela pode falar. Comigo ela pode falar. Pode admitir livremente. Aqui. Agora. ‘Evelyn, quem foi o grande amor da sua vida? Pode me falar.’”

Quando Monique chega na casa da velha atriz fica chocada ao saber que, na verdade, Evelyn Hugo em nenhum momento teve a intenção de dar uma exclusiva para Vivant. O que ela quer é que Monique escreva uma biografia autorizada sobre sua vida, com direito a todas as suas falhas, vitórias e claro, como ela chegou a ter sete benditos maridos. E bom, vamos combinar, senta que lá vem história. Sendo assim, a jornalista tem que se decidir entre a incerteza de lançar um livro que chega a valer milhões ou talvez, perder seu emprego se não levar nada palpável para a sua chefe.

A curiosidade que o livro proporciona ao leitor é sua força motriz e a todo momento você se encontra envolvida nos dramas da vida da celebridade e o que a levou a querer contar sua trajetória para uma jornalista, aparentemente, desconhecida. Evelyn Hugo é uma personagem que cativa, faz acreditar nela e sentir que ela é real, com todos seus defeitos e qualidades. É uma ficção tão bem construída que cria o questionamento: será que Evelyn Hugo realmente não existiu?

Control – websérie polonesa que vale a pena ser conferida

“Melhor ainda, lembre a todos que Evelyn Hugo nunca existiu. Foi uma pessoa que inventei para o público. Para ser amada. Explique que durante um bom tempo eu não entendia o que era o amor. Mas esclareça que agora sei, e que não preciso mais do amor das outras pessoas.”

A autora, com toda certeza, conseguiu escrever uma obra espetacular, que mostra as fragilidades que cercam nossa sociedade, com toda sua bondade e ruindade. A narrativa é fluída e as reviravoltas, algumas um tanto óbvias, ainda a faz querer continuar, porque o livro é provocativo, representativo e demonstra, com todas as suas garras, o poder das mulheres.

“Ah, eu sei que o mundo prefere mulheres que não têm noção do próprio poder, mas estou de saco cheio disso.”

Alerta de gatilho: violência doméstica, homofobia, assédio e suicídio.


Obs.: livro cedido pelo Grupo Companhia das Letras para resenha.

Bruna Fentanes

Bruna Fentanes

Baiana, designer e estudante de jornalismo. Acredita que vive em seu próprio conto de fadas e se divide entre suas duas obsessões: livros de romance e séries teen.

Deixe uma resposta