Na Estante | Boy Meets Girl e a representatividade transexual em filmes

Dirigido por Eric Schaeffer e estrelado por Michelle Hendley, “Boy Meets Girl” é uma comédia romântica com tons de dramaticidade que se passa numa pequena cidade do estado de Kentucky. Ricky (Hendley) é uma garota que possui ambições e desejos como qualquer menina da sua idade, ela sonha em se tornar estilista e encontrar o amor, no entanto as coisas são mais complicadas porque ela é uma garota trans.

LesBCast | Episódio 2 – a falta de filmes clichês com temática LGBTQ+

O título do filme sugere que é mais uma comédia romântica em que um garoto conhece uma garota, porém o longa vai te surpreendendo ao longo da narrativa. Na primeira cena do filme, Ricky e Robby (Michael Welch) estão conversando sobre encontros e relacionamentos. Ricky, que está cansada de ter homens querendo apenas sexo e não amor, cogita a possibilidade de namorar mulheres, é então que Francesca (Alexandra Turshen) surge.

A medida que o relacionamento de Ricky e Francesca vai se desenvolvendo, questões relacionadas a amor, sexo e sexualidade vão surgindo. Há diversas cenas em que Ricky e Robby conversam sobre tais assuntos, um dos pontos altos do filme é o senso de humor da protagonista e a forma sarcástica na qual ela lida com o preconceito, nos proporcionando reflexões plausíveis e boas risadas.

Apesar de se tratar de uma comédia romântica, existem momentos em que a narrativa fica mais tensa, principalmente quando a mãe de Ricky é introduzida. É exposto ao espectador que a Sra. Jones havia morrido de câncer, porém descobrimos mais tarde que a mãe abandonou a família após descobrir que sua filha era trans. Inclusive esse segredo só vem à tona quando seu irmão caçula, Sam (Joseph Ricci), encontra um vídeo gravado pela sua irmã em que conta como tal rejeição a levou a fazer uso de entorpecentes e até pensar em suicido.

Entrevista com Anna Bagunceira sobre os novos projetos, público LGBTQ+ e muito mais

O filme possui diversos pontos positivos, o primeiro deles é que o diretor foi sensato e escalou uma mulher trans para interpretar Ricky. Michelle Hendley documentava em seu canal no Youtube sua transição quando foi contratada por Eric, apesar de nunca ter atuado, ela aceitou o desafio. A protagonista não só atuou como também foi responsável junto com um grupo de mulheres trans a ajudá-lo a elaborar e dirigir o filme de forma a respeitar a comunidade trans.

Outro aspecto positivo são as relações presentes no longa-metragem como a amizade de Ricky e Robby, que são amigos há mais de 15 anos, a relação familiar dela com seu pai e seu irmão, e o relacionamento com Francesca. Cada um dos personagens mostra seu apoio e afeto a protagonista da sua maneira. Inclusive, a personagem de Turshen surpreende a todos e também a Ricky por querer se aproximar da jovem aspiradora a estilista.

Visibilidade bi: 10 artistas mulheres que são abertamente bissexuais

Filha de um conservador republicano, Francesca em nenhum momento rejeita ou enfrenta conflitos internos por querer estar com Ricky, ela simplesmente decide viver aquilo que sente sem nenhum arrependimento, o problema é quando seu noivo David (Michael Galante) aparece. A chegada dele traz sentimentos reprimidos e segredos escondidos que geram um twist no enredo.

Com participação de Grace Helbig, “Boy Meets Girl” é uma comédia romântica divertida, terna e positiva que mostra o quão importante é viver uma vida corajosa sem deixar que o medo atrapalhe nossos sonhos.

Lua Barros

Lua Barros

Lua Barros é estudante de Produção de Multimídia, bissexual e Belenense. O sonho dela é dar um murro na poc da CW.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *