Connect with us

Review

Review | Bom Dia, Verônica – Segunda Temporada

Published

on

“Bom Dia, Verônica” chegou revolucionando as produções de thriller policial no Brasil. Com uma pegada mais realista, um roteiro bem adaptado do livro para o formato série, o núcleo se passa em São Paulo, onde conhecemos, na primeira temporada, a secretária de polícia Verônica Torres (Tainá Muller), que através de uma denúncia descobre atrocidades de corrupção, estupros, tráficos e toda uma rede de influentes pessoas da polícia e da política brasileira, envolvidos em organizações criminosas, inclusive envolvimento do seu passado familiar. 

A segunda temporada nos traz uma Verônica mais forte e ciente do mundo ao qual está inserida. Passaram-se anos em que ela está dada como morta e está se escondendo da polícia, resolvendo inúmeros crimes a sua própria forma. Ao investigar um caso de corrupção e lavagem de dinheiro pela trupe policial da qual fazia parte, toma conhecimento de um novo integrante, o “Dom”, fazendo uma grande crítica aos líderes religiosos que abusam do seu poder, influência e fé de seus seguidores. Matias Carneiro (Reynaldo Gianecchini), líder de uma igreja que mistura o cristianismo com espiritismo e que usa a glamourização de um líder da fé para cometer inúmeros abusos sexuais com suas seguidoras, utilizando como artifícios: palavras doces, acolhedoras e muita manipulação.

Crítica | Aos Nossos Filhos – um filme sobre a maternidade e a maternagem

A medida que vamos conhecendo a casa da Matias e sua família, nos deparamos com Gisele (Camila Márdila), uma esposa totalmente devota as práticas do marido, bela, recatada e do lar, e, uma filha extremamente angelical, Angela (Klara Castanho). Conforme conhecemos o interior da casa, seja pela visão investigativa de Verônica ou pela visão da Angela, vemos a grandiosidade do roteiro na construção de uma mãe que prefere se automutilar, através da manipulação do marido, para proteger a filha e manter a sua inocência e infantilidade por mais tempo. A filha, por inocência e não conhecer o mundo, está dentro de uma nuvem de pedofilia, abusos sexuais, psicológicos e traumáticos.

Conforme “Bom Dia, Verônica” vai se desenvolvendo em seus seis episódios, passa a ser angustiante acompanhar a forma de retrato dos crimes realizados dentro da casa de Matias e toda a máfia criada acima de um orfanato e casa de recolhimento. Percebemos que a escolha certeira da produção de abrir mão de relatos gráficos e fortes, trazendo as sutilezas dos atos, principalmente vividos por Angela, em nenhum momento deixa transparecer a sensação de nojo, medo e embrulho no estômago, que nós, como público, sentimos em observar e supor o que acontece, principalmente no quarto daquela garota, dentro deste ciclo vicioso familiar do personagem de Gianecchini.

Escute nosso podcast

Os momentos de alívio da sua adolescência são demonstrados nas cenas em que Angela está com Carol (Liza Del Dala), sua amiga e primeiro amor. O desenvolvimento delas é algo muito bonito. As orientações sexuais nesta série são dadas de forma muito natural e gostosa de se ver. 

Nesta temporada, conhecemos mais da história de vida de Anita (Elisa Volpatto), a delegada ligada diretamente ao crime organizado, que desde o primeiro ano a conhecemos como vilã, mas que, na descoberta de suas raízes, percebemos que lidamos com uma vítima do patriarcado, da polícia e dos crimes da grande organização, e questionamos suas atitudes e até onde suas ações eram genuínas ou apenas cumprimentos obedecidos.

Deparamos-nos, mais uma vez, com uma escolha certeira no elenco, desenvolvimento dos personagens, a Gisele interpretada pela Camila Márdila, que nos deixa sem palavras, a construção da Angela expressando o horror de uma filha ao descobrir as atrocidades cometidas pelo pai, e do personagem de Gianecchini, como nunca o vimos antes.  É com ansiedade que aguardamos a terceira temporada de “Bom Dia, Verônica”, para conhecermos a tríade cabeça de tantos crimes que se desenvolvem ao longo da narrativa, e os dilemas pessoais da protagonista e como suas ações acabam a reconectando com sua família e trazendo perigos iminentes aos seus filhos e amigos.

LesB Indica | High School Musical: A série: O Musical – série teen clichê e leve

“Bom Dia, Verônica” está disponível na plataforma de streaming Netflix, com duas temporadas de oito e seis episódios cada.

LesB Nota
  • Roteiro
  • Direção
  • Personagens
4.3

Sinopse

Depois de testemunhar um suicídio, uma secretária de polícia decide investigar por conta própria dois casos não resolvidos, ambos envolvendo mulheres agredidas.

Viviane Marques é paulistana, formada em marketing e amante da arte. Atualmente estuda teatro para formação e é bailarina por paixão. Vive em constante desconstrução e escrever é uma forma de sobreviver ao dia a dia e as constantes mudanças no mundo.

Continue Reading
Click to comment

Review

Review | Sem Resquícios – Primeira Temporada

Published

on

Uma imigrante ilegal mexicana e uma cigana encontram um cadáver em um país europeu. Quais as chances de acreditarem que elas não são as culpadas pelo assassinato? É deste tema que se trata a série da Amazon Prime, chamada “Sin Huellas”, traduzida como “Sem Resquícios”, dirigida por Paco Caballero, Samantha López Speranza, Koldo Serra e Gemma Ferraté.

LesB Cast | Temporada 3 Episódio 13 – a segunda temporada de “Stupid Wife”

A trama apresenta Desi (Carolina Yuste), uma mulher livre, lésbica e divertida, que sabe aproveitar bem a vida noturna da cidade, e é muito engraçada; ela é aquela amiga louca e descontrolada que sempre está pronta para te apoiar com unhas e dentes. E Cati (Camila Sodi), uma mexicana imigrante, doce e até inocente demais, que chegou na Espanha com o objetivo de ganhar dinheiro e trazer a sua filha e a sua mãe para o país e prover uma vida melhor e um futuro diferente para a filha, além de tentar manter o seu casamento com um encostado.

Essas amigas, extremamente atrapalhadas, dividem um apartamento e trabalham juntas em uma empresa de limpeza. Logo no início da série, elas descobrem que a empresa onde trabalhavam, de forma terceirizada, declarou falência e ambas estavam demitidas.

Na busca de encontrar um trabalho rápido, acabam aceitando uma oportunidade de limpar a casa de uma família milionária. Ao serem contratadas, descobrem que, na verdade, ali foi a cena de um crime, se deparam com um corpo de mulher recém assassinada e para piorar, pegam acidentalmente uma mala cheia de euros e placas de ouro, que seriam destinadas a uma gangue de assassinos russos.

É, neste momento, que elas se dão conta que devem se livrar da culpa de um assassinato que não cometeram e de russos que querem matá-las por terem roubado o dinheiro destinado a eles. Como podem se livrar desta confusão ao qual foram colocadas e ainda saírem vivas? Uma certeza é que “Sem Resquícios” garante boas risadas e surpresas, com uma comédia de muita qualidade, ação e um casal sáfico com uma química extrema.

Resenha | De repente, namoradas – um romance leve que vale a pena

Ao sermos introduzidos ao núcleo policial, fica claro que a policial investigadora do caso é a ex-namorada da Desi. Claro que, ao longo dos episódios, surge a necessidade de saber mais sobre a relação de Desi e Irene (Silvia Alonso), a policial que entra na história investigando o crime e acaba se tornando cúmplice na busca de comprovar a inocência das meninas.

Acompanhamos pequenos flashbacks sobre a relação delas, o motivo da separação e o dia a dia dessa construção. A química das atrizes é muito forte e através do olhar expressam os sentimentos. Inclusive, os diálogos são bem elaborados.

Esta produção é uma indicação excelente para o final de semana, contudo, apenas para quem tem estômago “forte”, já que algumas cenas fortes e sangrentas fazem parte desta comédia espanhola.

Com um elenco de rosto conhecidos, por quem consome produções espanholas, um roteiro incrível, uma trilha sonora dançante e aqueles puxões de orelha nos preconceitos e temas tabus, que são abordados de forma inteligente, “Sem Resquícios” é uma produção que vale muito a pena.

Continue Reading

Review

Review | Grease: Rise of The Pink Ladies – Primeira Temporada

Published

on

“Grease: Rise of The Pink Ladies” é uma série de musical romântica dramática criada por Annabel Oakes (“Awkward”). A produção é um prequel do musical de mesmo nome, lançado em 1978. A série é ambientada em 1954, quatro anos antes da história de amor entre Danny Zuko e Sandy Olsson. Enquanto a gangue dos T-Birds já existe, a narrativa se propõe a mostrar como a gangue das Pink Ladies surgiu.

LesB Indica | Harley Quinn – uma produção que vale seu tempo

A narrativa acompanha a vida de Jane (Marisa Davila), uma adolescente que namora secretamente o quarterback Buddy (Jason Schmidt) até que ele permite que a escola inteira acredite em rumores inapropriados sobre ela. Em uma cidade onde cada pessoa é definida por sua reputação, isso a deixa alucinada para reparar o que as pessoas pensam sobre ela. Dessa forma, acaba se unindo a mais três párias sociais: Olivia (Cheyenne Isabel Wells), Cynthia (Ari Notartomaso) e Nancy (Tricia Fukuhara).

Olivia é uma estudante inteligente que manchou sua reputação no ano letivo anterior ao se envolver romanticamente com um professor. Nancy é uma aspirante a designer de moda e uma esquisita socialmente que foi largada pelas amigas por causa de garotos. Por fim, tem Cynthia, que sonha em se juntar aos T-Birds e vestir orgulhosamente a jaqueta de couro. Com o intuito de iniciar uma revolução no Rydell High, elas criam a gangue de garotas Pink Ladies.

A personagem de Notartomaso é uma verdadeira moleca e não performa feminilidade. Quando ela é obrigada a entrar no grupo de teatro (por causa das confusões que as Pink Ladies cometeram), acaba conhecendo Lydia (Niamh Wilson), uma atriz dedicada e totalmente confiante de suas habilidades artísticas, que a princípio desaprova as aptidões de Cynthia.

Em uma energia “enemies to lovers”, Cynthia e Lydia são forçadas a treinar falas da apresentação do clube de teatro todos os dias, o que aflora os sentimentos das duas. Da hostilidade pura e muitos beijos de “brincadeirinha”, começam a desenvolver sentimentos reais uma pela outra. Além delas serem um casal bem explorado e com bastante química, apesar de escondido por causa do contexto da época, Cynthia protagoniza um momento de saída do armário sensível e genuíno ao lado de uma das suas melhoras amigas Nancy.

“Grease: Rise of The Pink Ladies” é uma série que sabe mesclar bem a década de 1950 com referências ao mundo moderno da geração Z. As músicas não são muito cativantes se comparadas ao musical original, no entanto, a história da produção conquista nos detalhes: as menções ao filme, o grupo de garotas encantador e principalmente, a representatividade e diversidade do elenco.

LesB Cast | Temporada 3 Episódio 08 – as melhores séries de 2023 até o momento

Infelizmente, a produção foi cancelada com apenas uma temporada e sairá do streaming da Paramount+ nos próximos dias. A série não teve a oportunidade de encontrar seu público ideal e explorar ainda mais a história das personagens principais, que individualmente e coletivamente, possuíam muito potencial.

Leve e revigorante, a produção conseguiu debater temas como racismo e sexismo, e ainda entregar cenas nostálgicas para quem acompanhou a história de amor de Danny e Sandy. “Grease: Rise of The Pink Ladies” tinha uma potencialidade absurda de brilhar, mas, para a tristeza do público, a série acabou cedo demais e só deixou a saudade do que poderia ser uma narrativa épica.

LesB Nota
  • Roteiro
  • Direção
  • Personagens
4.7

Sinopse

Um spinoff do musical original de John Travolta e Olivia Newton John de 1978.

Continue Reading

Review

Review | Dois Tempos – Primeira Temporada

Published

on

A nova série nacional da plataforma Star+ foi lançada dia 10 de maio e carrega o nome “Dois Tempos”, a trama mostra a vida de duas garotas separadas por um século, que um dia trocam de corpo. A obra da diretora Vera Egito conta com as protagonistas Paz (Sol Menezzes), uma influenciadora digital de 2022, e Cecília (Mari Oliveira), aspirante a escritora de 1922.

As melhores séries com personagens femininas LGBTQIA+ de 2023 até o momento

Como o nome já diz, as duas garotas são de épocas diferentes e em uma noite, frustradas com suas respectivas realidades, fazem um apelo ao universo para que possam ‘ser livres’, assim elas trocam de corpo. A influencer vai para 1922, onde se encontra em um casamento por conveniência e uma família um tanto suspeita, e logo entende o que aconteceu e começa a procurar uma forma de voltar a sua realidade.

Enquanto isso, Cecília aproveita as maravilhas do mundo novo. Junto ao amigo de Paz, Tiago (Leonardo Bianchi), ela vai até o centro cultural de Água Marinha, onde conhece sua paixão, Maria (Pâmela Germano). Nesse primeiro encontro, elas tem uma forte conexão, mas, ao decorrer dos acontecimentos, a relação passa a ter muitos altos e baixos em um curto período. É interessante ver que em “Dois Tempos” as coisas não são por acaso e os acontecimentos estão conectados entre as épocas.

Em 2022, a cidade de Água Marinha é apresentada como a terra das mulheres fortes que lutam e protegem umas as outras, mas é quando Paz está em 1922 que podemos ver como a modernidade nas atitudes da garota ‘influenciam’ as mulheres a sua volta, moldando aquele lugar aos poucos para se tornar o que vemos com Cecília em 2022.

Resenha | A lista da sorte – um livro para se apaixonar

A produção tem oito episódios e flerta muito com a comédia, mas não deixa de explicar como as coisas acontecem, como o fato de Maria possuir o antigo caderno que Cecília escrevia, o que se torna a única forma de comunicação entre os dois tempos e ajuda a garota a acreditar que aquilo realmente era verdade. O final fica aberto para uma continuação, mas nada ainda foi confirmado pela plataforma ou a empresa produtora.

LesB Nota
  • Roteiro
  • Direção
  • Personagens
4

Sinopse

Duas garotas misteriosamente viajam no tempo e vão parar uma no corpo – e no século – da outra.

Continue Reading

Bombando

%d blogueiros gostam disto: