Visibilidade Bissexual | 10 personagens bissexuais das séries de TV

No dia 23 de setembro foi comemorado o Dia do Orgulho e da Visibilidade Bissexual, data marcada pela morte do pai da psicanálise, Sigmund Schlomo Freud, o primeiro grande teórico que trouxe o debate a respeito da existência da bissexualidade. Então, para comemorar a luta constante da comunidade, aqui vão 10 personagens bissexuais em séries de TV, que de uma forma ou de outra, levantaram a bandeira e assumiram orgulhosamente o que são.

  1. Marissa Cooper (“The O.C – Um Estranho no Paraíso”)

Caracterizada como uma garota mimada e privilegiada, mas também problemática, Marissa Cooper (Mischa Barton) foi uma das protagonistas de “The O.C – Um estranho no paraíso”.  Ao longo da produção, ela lutou contra o alcoolismo e depressão e sua orientação sexual foi bastante debatida na época, se realmente poderia ser bissexual ou apenas uma “bi-curiosa”, entretanto o seu relacionamento com Alex Kelly (Olivia Wilde) foi bem desenvolvido e os executivos da série afirmaram que ela nutriu sentimentos verdadeiros pela garota.

LesB Out! Mixtape #2 – cinco cantoras bissexuais que você precisa conhecer

  1. Anna Taggaro (“One Tree Hill”)

Apesar de participar apenas da segunda temporada de “One Tree Hill”, Anna Taggaro (Daniella Alonso) foi uma ótima história para série. Ela se mudou para Tree Hill para fugir dos rumores da sua antiga escola de que estava tendo um relacionamento com outra garota. O processo de autodescoberta dela foi tratado de forma sensível e ela é considerada a primeira personagem recorrente bissexual não-branca da tv.

  1. Callie Torres (“Grey’s Anatomy”)

Rainha da ortopedia, Callie Torres (Sara Ramirez) foi um símbolo da bissexualidade na TV. Amigável, descontraída e extremamente “badass”, a personagem de Ramirez teve muitos altos e baixos em “Grey’s Anatomy”, ela superou traição, acidente de carro e até mesmo um relacionamento fracassado. Callie cresceu na série e conquistou vários fãs ao longo dos anos.

LesB Indica | As Horas – longa-metragem elogiado pela crítica que merece sua atenção

  1. Haddie Braverman (“Parenthood”)

De garota rebelde ignorada à certinha estudiosa, Sarah Ramos interpretou Haddie Braverman na série dramática “Parenthood”. Nas primeiras temporadas, ela se relacionou com alguns garotos, porém, no final da quinta, quando a personagem volta para casa da faculdade para fazer uma visita a sua família, traz consigo uma amiga, Lauren (Tavi Gevinson), que mais tarde é revelado que elas estavam em um relacionamento. Depois que ela conta aos seus pais e vai embora, mais pra frente ela retorna e existe um esquecimento do seu relacionamento.

  1. Alison DiLaurentis (“Pretty Little Liars”)

Abelha rainha, manipuladora e encantadora, Alison DiLaurentis (Sasha Pieterse) dividiu corações em “Pretty Little Liars”. De desaparecida à mascarada escondendo-se atrás da letra “-A”, como também garota assustada, a personagem evoluiu bastante ao longo das temporadas. Ela termina a série com o seu par romântico, mais esperado da produção, Emily Fields (Shay Mitchell).

Pro Mundo (Out!) | Sterling Wesley – um exemplo de representatividade bissexual

  1. Clarke Griffin (“The 100”)

Princesa, Prisioneira 319, “Klark kom Skaikru” (Clarke do povo do céu), “Whaneda” (comandante da morte) é um dos apelidos que, no percurso de sete temporadas, foi possível ser atribuído a guerreira Clarke Griffin (Eliza Taylor). Com menos de 18 anos, a garota foi jogada na terra com mais outros 99 jovens para descobrir se a mesma ainda estava habitável após 97 anos de um ataque nuclear. A bissexualidade da personagem nunca foi um questionamento e ela carrega consigo um dos maiores ships da TV, Clexa.

  1. Annalise Keating (“How to Get Away With Murder”)

Ambiciosa, negra, bissexual, feroz e extremamente talentosa, Annalise Keating (Viola Davis) é uma das melhores representações femininas da tela de TV em relação as angústias e felicidades do que é ser mulher. Ela é uma advogada de defesa bem sucedida e professora de Direito Penal na Universidade Middleton bastante temida pelos seus alunos. Ao se envolver com os estudantes Connor Walsh (Jack Falahee), Michaela Pratt (Aja Naomi King), Laurel Castillo (Karla Souza), Wes Gibbins (Alfred Enoch) e Asher Millstone (Matt McGorry) sua vida muda drasticamente.

Contos Latentes: a história de mulheres LGBTQIA+ retratada de forma real

  1. Sara Lance (“Legends Of Tomorrow”)

Sara Lance (Caity Lotz) é ex membro da Liga dos Assassinos e do Time Arrow, e atualmente é a Capitã da Waverider, uma nave do tempo usada como base móvel de operações pelas Lendas. Apesar da personagem ser extremamente forte, ela não é exatamente uma heroína convencional, até porque não possui poderes como “Flash” ou “Supergirl”. Ela é uma líder nata, corajosa e sem vergonha nenhuma de ser o que é e mostrar ao mundo tudo que já passou e sofreu para chegar onde está.

  1. Waverly Earp (“Wynonna Earp”)

Herdeira de uma família amaldiçoada a caçar demônios, Waverly Earp (Dominique Provost-Chalkley) é a personificação da inteligência, garra e amor. Ela estudou por anos a história da sua família, a tradição dos demônios e uma infinidade de assuntos relacionados a pequena cidade que vive. Depois de terminar com seu namorado, Waverly desenvolve sentimentos pela nova policial, Nicole Haught (Kat Barrell), tornando-as um exemplo de casal doce e encantador.

10 anos de Lost Girl – série de TV marcou a história da representatividade bissexual

  1. Maya Bishop (“Station 19”)

Ex-atleta olímpica, bombeira e uma mistura entre amada e odiada pelo público, Maya Bishop (Danielle Savre) é uma das personagens regulares de “Station 19”. Conhecida como “sweet broken Maya”, ela é uma mulher complexa, determinada e extremamente competitiva. Ela teve vários relacionamentos “conturbados” ao longo das três temporadas da série, e atualmente, está em uma relação complicada com Carina DeLucca (Stefania Spampinato).


E aí, faltou alguém na lista? Comenta aí embaixo qual personagem bissexual marcou a sua jornada. =)

Bruna Fentanes

Bruna Fentanes

Baiana, designer e estudante de jornalismo. Acredita que vive em seu próprio conto de fadas e se divide entre suas duas obsessões: livros de romance e séries teen.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *