Connect with us

Colunas

No Diário (Out!) | Alguém sabe o que é o amor?

Published

on

Outro dia escrevi que ser especial é ser casa para que o outro possa ser quem é. Não é que eu tenha mudado de ideia, mas acho que vale um parênteses (que acabou virando outro texto). Ser casa para que o outro possa ser ele mesmo não significa engolir tudo goela abaixo. Se quem o outro é, fere quem você é… Se te machuca, sai dessa.

(Esse parêntesis, que virou texto, é sobre limites.)

A gente tem uma visão hollywoodiana de que o amor enfrenta tudo, um monte de besteira “em nome do amor”. É nessas que a gente fica ali regando uma planta que não dá flor. Esperando flor, mas é planta. Sabe?

Não é que planta seja necessariamente ruim, mas é planta, não é flor. O que eu quero dizer é: não confundamos abusos com esse conceito idílico que é o amor. Afinal, o que é? Alguém sabe?

Parece-me algo bom, mas tem gente que faz ser ruim. E dentre tudo que eu não sei sobre o amor, sei que é para ser bom. Até quando é ruim.

O amor é uma coisa que não vai caber nessas linhas.

Disso, eu tenho certeza.

Review | Atypical – Quarta Temporada

Então, não vem tentar me convencer que amor tem que doer, porque, meu amor… Eu não acredito. Mesmo achando que a maioria das pessoas tem um jeito bem esquisito de amar. Aí é sobre elas, não sobre o amor. Acho que colocaram naquela cartilha, lembra? Aquela que entregaram para gente desde cedo.

Ainda bem que rasgamos.

Ser especial é sim ser casa para que o outro possa ser quem é, mas se o amor destrói nossa casa, ele não é amor. Afinal, esse lar tem dono… E é VOCÊ, meu bem.

O amor é hoje, agora, a gente quem faz. E pode ser o que a gente quiser, mas tem que ser bom.

Combinado?

Rebeca Figueiredo é atriz, comunicóloga (UFMG) e aspirante à escritora. No universo das câmeras, é uma das idealizadoras do coletivo audiovisual Grilla! e vive a personagem Raphaela na websérie independente Magenta, da Linha Produções. A mineira, de Belo Horizonte, é apaixonada por séries, astrologia e política.

Continue Reading
Click to comment

Colunas

LesB Indica | iCarly (2021) – o revival que você deveria estar assistindo

Published

on

“iCarly (2021)” é uma continuação da série original que foi ao ar entre os anos de 2007 e 2012. A nova etapa traz os personagens principais como Carly (Miranda Cosgrove), Freddie (Nathan Kress) e Spencer (Jerry Trainor) ao mesmo tempo em que apresenta novos personagens de destaque como Harper (Laci Mosley) e Millicent (Jaidyn Triplett). A história é contada a partir da volta de Carly da Itália, lugar para onde ela foi no final da primeira versão do seriado.

LesB Cast | Temporada 2 Episódio 10 – Hacks e a representatividade nas séries de comédia

Nessa continuação, Carly e Freddie estão com 27 anos, ela ainda colhe os frutos da fama que construiu na internet na infância e adolescência, enquanto ele passou por dois casamentos frustrados que terminaram em dois divórcios. Porém, Fred carrega ao seu lado sua enteada Millicent, uma menina inteligente e de personalidade forte que se tornou uma grande e importante adição na série.

Revista LesB Out!

Apesar da falta de Sam (Jennette McCurdy) nessa nova versão de “iCarly (2021)”, Carly e Freddie decidem reviver o iCarly, em um momento muito mais tecnológico do que na original. Agora as coisas acontecem muito mais rápido e sem parar na internet, causando alguns problemas ao longo da trama. Com isso, Carly acaba precisando de mais ajuda do que antes, então conhecemos Harper, a melhor amiga dela.

Harper é uma personagem de destaque na série. Uma mulher negra e abertamente bissexual, que trabalha em uma cafeteria para mais tarde atingir o sucesso absoluto na carreira como estilista. Ela é uma grande representatividade de uma mulher não heterossexual tanto no que diz respeito a sua liberdade e sinceridade em relação a sua sexualidade como também no que tange a sua vida profissional.

Review | The First Lady – minissérie sobre as primeiras-damas

“iCarly (2021)” está disponível no Brasil através do canal de streaming Paramount+ e conta com duas temporadas. A série vale a pena ser conferida por quem cresceu com Carly, Sam e Freddie, afinal, traz bastante referências ao seriado original sendo uma delas a abertura do seriado. Mas, para quem não cresceu com eles e com a história de 2007, esta é uma produção de comédia com boas representatividades e que traz algumas reflexões importantes sobre a era da internet.

Continue Reading

Colunas

Pro Mundo (Out!) | Tara Chambler e seu desenvolvimento em The Walking Dead

Published

on

“The Walking Dead” é uma série televisiva norte-americana que estreou em 2010, na AMC, baseada nas revistas em quadrinhos de mesmo nome. A história acompanha a vida de diversos sobreviventes após um apocalipse zumbi, liderados pelo ex-policial, Rick Grimes (Andrew Lincoln). Durante os mais de dez anos no ar, a produção trouxe alguns personagens LGBTQIA+, uma delas é Tara Chambler (Alanna Masterson).

Pro Mundo (Out!) | Amity Blight – uma linda jornada

Tara Chambler chegou à trama na quarta temporada, no episódio “Live Bait”. A sua primeira aparição foi recebendo o Philip Blake – o famoso Governador – (David Morrissey) armada em sua casa. Após a morte de seu pai, a jovem aceita a proposta para acompanhar o Governador na viagem que planejava realizar. Assim começou a sua trajetória como uma das personagens regulares da série, tentando sobreviver, dia após dia, ao caos do mundo pós-apocalíptico.

Apesar de ter uma aparência ingênua no início da série, ela foi uma das personagem que mais teve desenvolvimento na história, tornando-se uma das sobreviventes mais antigas de “The Walking Dead”. Tara ganhou a confiança do grupo de Rick, foi protagonista de diversos momentos marcantes e, ao longo do anos, se tornou uma pessoa forte, capaz de enfrentar zumbis e acampamentos inimigos.

Tara Chambler participou de alguns episódios marcantes, como o ataque do Governador à prisão de Rick, viveu a alegria de encontrar um lugar seguro em Alexandria, entretanto, vivenciou os momentos de combate no local. Além disso, participou ativamente da grande guerra contra os Salvadores. A jovem era cheia de personalidade e conseguiu ser uma das líderes Hilltop. Tudo isso a construiu, deixando-a cada vez mais preparada e resistente ao novo mundo. 

A sexualidade também foi um dos pontos abordados na série desde o início de forma natural. Na quarta temporada, se relacionou com Alisha (Juliana Harkavy), membro de um acampamento que ela se juntou, contudo, as duas não tiveram tempo de desenvolver uma relação longa porque a companheira dela morre em um confronto com o grupo de Rick. Mais tarde, ela se relaciona com Dra. Denise Cloyd (Merritt Wever), médica de Alexandria, que também acaba morrendo, com uma flecha no olho.

Review | The First Lady – minissérie sobre as primeiras-damas

É importante ressaltar que o universo “The Walking Dead”, nessa longa jornada na televisão norte-americana, conseguiu apresentar personagens LGBTQIA+, alguns deles faleceram no decorrer da trama, tiveram pouca ou nenhum desenvolvimento a respeito de seus relacionamentos. Tara foi uma das personagens regulares que teve um pouco mais de atenção quanto à sexualidade.

O desfecho de sua história na produção não agradou a todos os espectadores, mesmo que a morte de personagens seja muito comum em “The Walking Dead”, que não poupa nem mesmo os protagonistas. Ela foi uma das vítimas da estaca de Alpha, líder dos Sussurradores (comunidade inimiga), ela foi decapitada e depois sua cabeça foi colocada em uma lança de madeira, na fronteira que dividia o território dos grupos. O episódio deixou o público bastante chocado, já que ela havia ganhado a simpatia dos espectadores e era uma representatividade na produção.

Tara Chambler terminou sua jornada em “The Walking Dead” fazendo parte do núcleo principal da série e sendo uma das mais queridas pelos telespectadores. A sobrevivente se desenvolveu durante os anos ao lado de seu grupo, que pode ser chamado de sua família. Tornou-se uma personagem segura, com uma bela desenvoltura em cena, capaz de combater os zumbis e seus piores inimigos. De uma jovem ingênua para uma mulher corajosa, finalizou a sua narrativa de forma brilhante e deixando muitas saudades no coração dos fãs.

“The Walking Dead” está disponível nos canais de streaming Netflix e Star+.


Você sabia que o LesB Out! tem uma revista digital?! Confira clicando aqui!

Continue Reading

Colunas

LesB Indica | Divinas Divas – documentário traz luz sobre a trajetória de atrizes travestis

Published

on

O documentário “Divinas Divas”, dirigido pela atriz Leandra Leal, conta a história de oito travestis que se apresentavam no Teatro Rival, no Rio de Janeiro; teatro este que pertencia ao avô de Leandra, o empresário Américo Leal, na década de 70, e foi um dos primeiros lugares que deu espaço a estas artistas. Além da trajetória artística, o documentário também retrata a vida das mulheres que queriam ser mulheres, mesmo em uma época que isso era proibido a elas.

LesB Cast | Temporada 2 Episódio 09 – nossos pitacos sobre “First Kill”

Rogéria, Marquesa, Brigitte de Búzios, Jane Di Castro, Divina Valéria, Eloína dos Leopardos, Camille K e Fujika de Halliday contam suas trajetórias de vida e trabalho enquanto nos tempos atuais estão ensaiando uma retomada do show, homônimo ao documentário, em comemoração aos 50 anos de carreira de todas elas. Elas narram como era ser travesti na década de 70 – no auge da ditadura -, a busca por espaços em outros países como França, Espanha e Estados Unidos, e contam sobre como superaram o preconceito dentro de suas famílias ou tiveram que conviver com ele, os relacionamentos, as cirurgias, todas as conquistas.

Revista LesB Out!

Alguns momentos são marcantes no filme, que é basicamente uma conversa delas com Leandra, além de intercalar com cenas de shows antigos, do show que estavam montando – como a declaração de Jane Di Castro, à época, para o recém esposo -, afinal, após 46 anos haviam conseguido a união estável. Leal, em determinados momentos, intercala suas próprias memórias de quando era uma criança nas coxias do Teatro Rival com a das “divas”.

Rogéria, talvez a mais conhecida do público em geral por conta de suas participações em novelas como “Paraíso Tropical” e até “Malhação”, dizia que era a travesti da família brasileira.

O documentário traz uma luz sobre a trajetória dessas pioneiras; hoje muitas delas já não estão mais vivas. No mesmo ano de estreia, o longa-metragem ganhou, no Festival do Rio, o prêmio de Melhor Filme pelo júri popular. Já o espetáculo estreou em 2004 e ficou dez anos em cartaz no mesmo teatro onde tudo começou para elas.

Nove poetas LGBTQIA+ que valem a pena serem conhecidas

“Divinas Divas” está disponível na Netflix.

Continue Reading

Bombando

%d blogueiros gostam disto: