Connect with us

Review

Review | As Five – Segunda Temporada

Published

on

A segunda temporada do spin-off de “Malhação – Viva a diferença” dá continuidade a vida das nossas meninas. Meninas não, mulheres. Com uma estética atual, mais ousada e cheia de novos desafios, o roteiro traz novos personagens e antigos para o núcleo dessa amizade, retornando com questões de cancelamento, religião, preconceito e racismo.

As Five – assistimos o início e comentamos com vocês

Após retornar do seu mestrado, vemos Ellen (Heslaine Vieira) recomeçar a sua vida profissional no Brasil. Com as suas questões de workaholic e de experimentações, acompanhamos uma Ellen não satisfeita com a sua relação atual e terminando o namoro ainda nos primeiros episódios. Ela está conhecendo novas possibilidades profissionais, como na startup de tecnologia, com um projeto de reconhecimento facial de pessoas, e afetivas.

Logo no início da temporada, Ellen está conhecendo sensações, até então desconhecidas, através do olhar de Maura (Tamirys O’hanna), que a incentiva a abraçar as suas origens, seu cabelo, seu corpo e quem ela é de fato, saindo da “branquitude” das suas amigas e focando mais na sua felicidade, assim como, conhecendo lugares que retratem e fortifiquem a sua ancestralidade, trazendo a pauta da realidade da mulher preta e pobre no Brasil com as diferenças em relação as oportunidades. Assim sendo, essa realidade passa a ser enfatizada no mercado de trabalho, onde passa a temporada trabalhando com um chefe tóxico que não cansa de enfatizar o seu racismo velado em suas falas e atitudes diárias.

Em conta partida, conhecemos Maura, uma mulher forte, decidida e que faz florescer a bissexualidade de Ellen. A advogada trabalha com a personagem de Vieira na Startup de tecnologia, abrindo a porta para questões que necessitavam de um olhar com mais empatia e maturidade.

Em meio a introdução de Maura, temos Lica (Manoela Aliperti), interessadíssima pela mulher. Uma novidade para ela e a chance de embarcar em uma nova jornada de amadurecimento, o que não acontece. Esta temporada, que começou cheia de esperanças, nos apresenta uma Lica ainda mais mimada e infantil. Mas claro que damos risadas das suas atitudes no início para conquistar a atenção de Maura, afinal quem nunca se meteu em algum curso, lugar ou novo ambiente só para chamar a atenção daquela crush especial?!

LesB Cast | Temporada 3 Episódio 04 – “Harlem” e a representatividade feminina negra LGBTQIA+

Iniciamos a segunda temporada de “As Five” apaixonadas pelo amadurecimento da Lica sobre a sua conduta e posicionamento do fim de uma relação, sobre como foi uma atitude adulta a dela com a Samantha (Giovanna Grigio), a despedida, o último beijo, o último toque, tudo entre elas proporcionou uma cena delicada e expressivamente linda.

O problema começa após a relação de namoro inicial em que Lica descobre que Ellen e Maura se beijaram antes do relacionamento delas e age de forma completamente equivocada, com cenas de ciúmes desnecessárias, ataques de bebedeira e fazendo de tudo para chamar a atenção, enfatizando a sua total falta de maturidade em lidar com acontecimentos que estão fora do seu alcance, ainda mais em se tratando do passado ou de sentimentos que não podemos escolher. Um adendo importante é que, por pior que seja o momento em que a relação das duas se encontre, as atrizes possuem cenas com interações notáveis com grande química ficcional.

Já a nossa amada Keyla (Gabriela Medvedovski) retorna com aqueles ditados de “velhos amores podem se tornar novos”, voltando a sua relação com Samuel (Jessé Scarpellini). Nos primeiros dois episódios, vemos ele dar um show de preconceito dizendo que o ambiente de trabalho do Miguel não é lugar para o Tonico (Matheus Dias), com o seu machismo e problemas do passado, a impressão que fica é de que falta juízo na mente da Keila que grite “corre que é cilada Bino”.

O que mais decepciona é que mesmo uma mulher adulta e com um filho, obviamente que cheia de sonhos que devem ser conquistados, ela ainda tende a agir como adolescente, que quer tudo do seu jeito, com ela como protagonista, deixando de lado alguns problemas das suas amigas, como o caso da Tina (Ana Hikari). Por mais presente que esteja, acredito que faltou um pouco de aceitação pela situação da amiga e paciência, já que a criança é o filho dela.

Afetada com todos os acontecimentos da morte da mãe, cancelamento e término de namoro na temporada anterior, Tina retorna com a sua reconciliação com o seu corpo e bem-estar após as semanas no retiro espiritual. Com a intenção de cuidar do restaurante da família, ela conhece Glauber (Elzio Vieira), seu novo interesse amoroso, que a motiva a manter o negócio da família de pé e em suas mãos.

O problema é que, após estar sem as suas redes sociais, seu vício por internet, drogas e álcool, acompanhamos uma Tina direcionando a sua compulsão para uma pessoa, neste caso, Glauber, chegando a seguir ele em uma igreja, o que a deixa fissurada em saber quem são suas amizades, o que ele faz fora do trabalho e com quem está, colocando até em pauta o preconceito religioso, com pautas como: crente não pode beber, crente não pode se divertir, fazer sexo e afins, sendo que o cara pode apenas não estar a fim dela. E está tudo bem se uma pessoa com quem você ficou não estar tão a fim de você, isso não é motivo para o fim do mundo e nem para se deixar levar, até porque as ações dela em torno do personagem acionaram gatilhos do passado que a fez enfrentar grandes problemas.

Benê (Daphne Bozaski) foi a personagem que mais cresceu nesta temporada, e foi lindo ver a sua evolução como mulher, crescendo até no quesito sexualidade, a partir de ações de impactos libertadores para ela. O problema é que ela se deixou levar pela ideia de morar com o namorado, Nem (Thalles Cabral), cuja a relação é recente. Um cara totalmente diferente dela, que parece pouco se importar com os detalhes da sua vida. Por mais presente que ele fosse, demonstrou ser muito tóxico. De início, sem se importar com as contas da casa, com a vida profissional da namorada e respeitar as suas escolhas.

O sucesso das produções asiáticas | 3 Girls Love que você precisa conhecer

Sim, a opção dele de tirar o piano da Benê sem nem mesmo informá-la, por mais que tenha acontecido aquele acidente, foi terrível. Só mostrou o quanto ele só enxerga o próprio umbigo e não dá espaço para entender as escolhas e decisões dela. E o ponto forte da temporada foi colocarem dois ladrões ao lado da personagem para ajudá-la com lição de moral sobre a importância do desapego para a vida seguir em frente. O importante é perceber que ela tem o apoio das amigas e uma terapeuta que, literalmente, está sempre ali para ajudá-la a entender o seu lugar no mundo.

O que incomoda no final da temporada é que termina no meio da história, restando esperar para ver como será o desenvolvimento destas mulheres no próximo ano.

E me conta, terminaram a segunda temporada de “As Five”? O que acharam?

Continue Reading
Click to comment

Review

Review | Sem Resquícios – Primeira Temporada

Published

on

Uma imigrante ilegal mexicana e uma cigana encontram um cadáver em um país europeu. Quais as chances de acreditarem que elas não são as culpadas pelo assassinato? É deste tema que se trata a série da Amazon Prime, chamada “Sin Huellas”, traduzida como “Sem Resquícios”, dirigida por Paco Caballero, Samantha López Speranza, Koldo Serra e Gemma Ferraté.

LesB Cast | Temporada 3 Episódio 13 – a segunda temporada de “Stupid Wife”

A trama apresenta Desi (Carolina Yuste), uma mulher livre, lésbica e divertida, que sabe aproveitar bem a vida noturna da cidade, e é muito engraçada; ela é aquela amiga louca e descontrolada que sempre está pronta para te apoiar com unhas e dentes. E Cati (Camila Sodi), uma mexicana imigrante, doce e até inocente demais, que chegou na Espanha com o objetivo de ganhar dinheiro e trazer a sua filha e a sua mãe para o país e prover uma vida melhor e um futuro diferente para a filha, além de tentar manter o seu casamento com um encostado.

Essas amigas, extremamente atrapalhadas, dividem um apartamento e trabalham juntas em uma empresa de limpeza. Logo no início da série, elas descobrem que a empresa onde trabalhavam, de forma terceirizada, declarou falência e ambas estavam demitidas.

Na busca de encontrar um trabalho rápido, acabam aceitando uma oportunidade de limpar a casa de uma família milionária. Ao serem contratadas, descobrem que, na verdade, ali foi a cena de um crime, se deparam com um corpo de mulher recém assassinada e para piorar, pegam acidentalmente uma mala cheia de euros e placas de ouro, que seriam destinadas a uma gangue de assassinos russos.

É, neste momento, que elas se dão conta que devem se livrar da culpa de um assassinato que não cometeram e de russos que querem matá-las por terem roubado o dinheiro destinado a eles. Como podem se livrar desta confusão ao qual foram colocadas e ainda saírem vivas? Uma certeza é que “Sem Resquícios” garante boas risadas e surpresas, com uma comédia de muita qualidade, ação e um casal sáfico com uma química extrema.

Resenha | De repente, namoradas – um romance leve que vale a pena

Ao sermos introduzidos ao núcleo policial, fica claro que a policial investigadora do caso é a ex-namorada da Desi. Claro que, ao longo dos episódios, surge a necessidade de saber mais sobre a relação de Desi e Irene (Silvia Alonso), a policial que entra na história investigando o crime e acaba se tornando cúmplice na busca de comprovar a inocência das meninas.

Acompanhamos pequenos flashbacks sobre a relação delas, o motivo da separação e o dia a dia dessa construção. A química das atrizes é muito forte e através do olhar expressam os sentimentos. Inclusive, os diálogos são bem elaborados.

Esta produção é uma indicação excelente para o final de semana, contudo, apenas para quem tem estômago “forte”, já que algumas cenas fortes e sangrentas fazem parte desta comédia espanhola.

Com um elenco de rosto conhecidos, por quem consome produções espanholas, um roteiro incrível, uma trilha sonora dançante e aqueles puxões de orelha nos preconceitos e temas tabus, que são abordados de forma inteligente, “Sem Resquícios” é uma produção que vale muito a pena.

Continue Reading

Review

Review | Grease: Rise of The Pink Ladies – Primeira Temporada

Published

on

“Grease: Rise of The Pink Ladies” é uma série de musical romântica dramática criada por Annabel Oakes (“Awkward”). A produção é um prequel do musical de mesmo nome, lançado em 1978. A série é ambientada em 1954, quatro anos antes da história de amor entre Danny Zuko e Sandy Olsson. Enquanto a gangue dos T-Birds já existe, a narrativa se propõe a mostrar como a gangue das Pink Ladies surgiu.

LesB Indica | Harley Quinn – uma produção que vale seu tempo

A narrativa acompanha a vida de Jane (Marisa Davila), uma adolescente que namora secretamente o quarterback Buddy (Jason Schmidt) até que ele permite que a escola inteira acredite em rumores inapropriados sobre ela. Em uma cidade onde cada pessoa é definida por sua reputação, isso a deixa alucinada para reparar o que as pessoas pensam sobre ela. Dessa forma, acaba se unindo a mais três párias sociais: Olivia (Cheyenne Isabel Wells), Cynthia (Ari Notartomaso) e Nancy (Tricia Fukuhara).

Olivia é uma estudante inteligente que manchou sua reputação no ano letivo anterior ao se envolver romanticamente com um professor. Nancy é uma aspirante a designer de moda e uma esquisita socialmente que foi largada pelas amigas por causa de garotos. Por fim, tem Cynthia, que sonha em se juntar aos T-Birds e vestir orgulhosamente a jaqueta de couro. Com o intuito de iniciar uma revolução no Rydell High, elas criam a gangue de garotas Pink Ladies.

A personagem de Notartomaso é uma verdadeira moleca e não performa feminilidade. Quando ela é obrigada a entrar no grupo de teatro (por causa das confusões que as Pink Ladies cometeram), acaba conhecendo Lydia (Niamh Wilson), uma atriz dedicada e totalmente confiante de suas habilidades artísticas, que a princípio desaprova as aptidões de Cynthia.

Em uma energia “enemies to lovers”, Cynthia e Lydia são forçadas a treinar falas da apresentação do clube de teatro todos os dias, o que aflora os sentimentos das duas. Da hostilidade pura e muitos beijos de “brincadeirinha”, começam a desenvolver sentimentos reais uma pela outra. Além delas serem um casal bem explorado e com bastante química, apesar de escondido por causa do contexto da época, Cynthia protagoniza um momento de saída do armário sensível e genuíno ao lado de uma das suas melhoras amigas Nancy.

“Grease: Rise of The Pink Ladies” é uma série que sabe mesclar bem a década de 1950 com referências ao mundo moderno da geração Z. As músicas não são muito cativantes se comparadas ao musical original, no entanto, a história da produção conquista nos detalhes: as menções ao filme, o grupo de garotas encantador e principalmente, a representatividade e diversidade do elenco.

LesB Cast | Temporada 3 Episódio 08 – as melhores séries de 2023 até o momento

Infelizmente, a produção foi cancelada com apenas uma temporada e sairá do streaming da Paramount+ nos próximos dias. A série não teve a oportunidade de encontrar seu público ideal e explorar ainda mais a história das personagens principais, que individualmente e coletivamente, possuíam muito potencial.

Leve e revigorante, a produção conseguiu debater temas como racismo e sexismo, e ainda entregar cenas nostálgicas para quem acompanhou a história de amor de Danny e Sandy. “Grease: Rise of The Pink Ladies” tinha uma potencialidade absurda de brilhar, mas, para a tristeza do público, a série acabou cedo demais e só deixou a saudade do que poderia ser uma narrativa épica.

LesB Nota
  • Roteiro
  • Direção
  • Personagens
4.7

Sinopse

Um spinoff do musical original de John Travolta e Olivia Newton John de 1978.

Continue Reading

Review

Review | Dois Tempos – Primeira Temporada

Published

on

A nova série nacional da plataforma Star+ foi lançada dia 10 de maio e carrega o nome “Dois Tempos”, a trama mostra a vida de duas garotas separadas por um século, que um dia trocam de corpo. A obra da diretora Vera Egito conta com as protagonistas Paz (Sol Menezzes), uma influenciadora digital de 2022, e Cecília (Mari Oliveira), aspirante a escritora de 1922.

As melhores séries com personagens femininas LGBTQIA+ de 2023 até o momento

Como o nome já diz, as duas garotas são de épocas diferentes e em uma noite, frustradas com suas respectivas realidades, fazem um apelo ao universo para que possam ‘ser livres’, assim elas trocam de corpo. A influencer vai para 1922, onde se encontra em um casamento por conveniência e uma família um tanto suspeita, e logo entende o que aconteceu e começa a procurar uma forma de voltar a sua realidade.

Enquanto isso, Cecília aproveita as maravilhas do mundo novo. Junto ao amigo de Paz, Tiago (Leonardo Bianchi), ela vai até o centro cultural de Água Marinha, onde conhece sua paixão, Maria (Pâmela Germano). Nesse primeiro encontro, elas tem uma forte conexão, mas, ao decorrer dos acontecimentos, a relação passa a ter muitos altos e baixos em um curto período. É interessante ver que em “Dois Tempos” as coisas não são por acaso e os acontecimentos estão conectados entre as épocas.

Em 2022, a cidade de Água Marinha é apresentada como a terra das mulheres fortes que lutam e protegem umas as outras, mas é quando Paz está em 1922 que podemos ver como a modernidade nas atitudes da garota ‘influenciam’ as mulheres a sua volta, moldando aquele lugar aos poucos para se tornar o que vemos com Cecília em 2022.

Resenha | A lista da sorte – um livro para se apaixonar

A produção tem oito episódios e flerta muito com a comédia, mas não deixa de explicar como as coisas acontecem, como o fato de Maria possuir o antigo caderno que Cecília escrevia, o que se torna a única forma de comunicação entre os dois tempos e ajuda a garota a acreditar que aquilo realmente era verdade. O final fica aberto para uma continuação, mas nada ainda foi confirmado pela plataforma ou a empresa produtora.

LesB Nota
  • Roteiro
  • Direção
  • Personagens
4

Sinopse

Duas garotas misteriosamente viajam no tempo e vão parar uma no corpo – e no século – da outra.

Continue Reading

Bombando

%d blogueiros gostam disto: