Connect with us

Literatura

Resenha | Elas merecem – obra literária divertida com referências ao musical “Chicago”

Published

on

Ficha Técnica
Livro: Elas Merecem
Autora: Mariana Mortani
Editora: Se Liga Editorial
Número de Páginas: não especificado
Ano de lançamento: 2021


Elas merecem” é um romance da escritora e roteirista Mariana Mortani (“Amélia sem filtro”), publicado pela Se Liga Editorial, que vai explorar o enemies-to-lovers de Rosa e Catarina, que passaram todo o ensino médio competindo e alimentado uma rivalidade que culmina na disputa pelo protagonismo no espetáculo de teatro do colégio, mas esse guerra fria está com os dias contados, afinal, elas descobrem que precisam trabalhar juntas para que o musical dê certo.

Conheça The Prom – o musical da Broadway que será adaptado pela Netflix

Ao longo da narrativa vamos entendendo como surgiu a raiva e a rivalidade que Rosa alimentou por Catarina durante todos os anos do ensino médio. Assim como vemos a importância dessa relação para que Rosa tivesse coragem de se arriscar em busca de seu sonho de ser atriz de teatro já que Catarina lhe impulsionava a continuar buscando sua melhor versão, para que pudesse competir com a rival.

Esta rivalidade, fica logo evidente desde as primeiras páginas de “Elas merecem”, narradas por Rosa. Contudo, vamos descobrindo que a competição existe muito mais por parte dela (Rosa), o que nos leva a acreditar que no início da narrativa, Rosa não seja uma narradora tão confiável, já que acaba enxergando tantas provocações nas atitudes de Catarina.

Resenha | Minha experiência lésbica com a solidão – um mangá sobre a busca por acolhimento

Ainda assim, vamos sendo envolvida por essa “rixa” entre as personagens, e quando a história começa a andar e ficar interessante, isso acaba, não há uma grande construção desse enemies-to-lovers, já que na primeira vez que as personagens realmente conversam, toda a situação que deu ensejo à raiva de Rosa é explicada e elas se resolvem. Isso se dá muito por se tratar de uma narrativa curta, que explora muito mais a visão e os sentimentos de Rosa, que nos descreve os momentos.

O ritmo acelerado de “Elas merecem” faz com que tudo se resolva muito rápido, sem nos dar espaço para se aprofundar realmente nas grandes premissas da história, seja a rivalidade que logo se resolve, seja a mudança dessa relação, que logo passam a desejar uma a outra. Sem contar que, por ser uma trama curta com o ritmo acelerado, acabamos não vendo os sentimentos das personagens, não temos muitos momentos para entender como cada uma chegou a se apaixonar pela outra, tendo que nos contentar apenas com as descrições de Rosa, sobre essa mudança na relação.

LesB Indica | Girls5eva – uma produção musical recheada de referências dos anos 1990

Apesar da falta de espaço para se aprofundar mais nesse relacionamento, ainda é muito divertido acompanhar o desenrolar da obra, seja pelo anseio de um clichê com final feliz, sejam pelas referências ao musical “Chicago”, que as personagens serão protagonistas, que tornam o livro ainda mais divertido.

“Elas merecem” é uma narrativa para ser lida de forma rápida, em que podemos acompanhar de forma leve as personagens se entendendo e se apaixonando, sem contar com a diversão trazida por todas as referências ao musical acima citado, de modo que as histórias se entrelacem, e você deseje assistir ao musical assim que o livro acabar. E garanto que você irá concordar com Catarina, quando ela deseja um final sáfico para o musical.

LesB Nota
  • História
  • Personagens
3

Sinopse

Rosa e Catarina possuem um mesmo objetivo: ser protagonista do espetáculo de fim de ano do colégio. As duas competem entre si há tempos, porém a rivalidade está com os dias contados. Quando percebem que precisam trabalhar juntas para que o musical dê certo, os conflitos e olhares provocantes ganham um novo sentido, enquanto dão espaço para conversas reveladoras e coreografias marcantes. Agora, ao invés de disputar por um lugar de destaque no palco, elas estão prestes a perceber que merecem mais.

É estudante de Direito, a doida das séries policiais e de serial killers. Apaixonada por ficção cientifica e tudo relacionado ao espaço. Uma geminiana viciada em conversas regadas a vinho.

Continue Reading
Click to comment

HQs

Cinco quadrinhos com personagens femininas LGBTQIA+

Published

on

O universo das histórias em quadrinhos é um universo recheado de conteúdos diversos: desde tramas sobre super-heróis até narrativas do dia a dia sobre relacionamentos amorosos, amizade, família etc. De certa forma, os super-heróis também exploram esse conteúdo. Entretanto, o ponto aqui é que os quadrinhos não são somente sobre heróis com poderes, afinal, é uma literatura popular rica com diferentes tipos de enredos capazes de prender seus leitores por horas afinco.

Para além disso, muitos leitores começaram nos gibis e nas histórias em quadrinhos. A minha própria experiência teve início ainda na infância, por volta dos cinco, seis anos de idade, em que lia compulsivamente a “Turma da Mônica”. Os mangás também foram fortes influenciadores no meu gosto por leitura – assim como é na vida de muitas pessoas.

Pensando nisso, e sobre como essas narrativas que envolvem imagem e texto costumam ser pioneiras em apresentar personagens que fazem parte dos grupos que chamamos de minorias, que separamos cinco histórias em quadrinhos (com personagens femininas LGBTQIA+) que você precisa conhecer. Confira a lista:

Batwoman: quem é Kate Kane e o que esperar da série do Arrowverse

1. Batwoman

Quando o assunto são histórias em quadrinhos e mulheres LGBTQIA+ é impossível não citar a prima do Bruce Wayne. No ano de 2006, a personagem foi confirmada como lésbica pelos autores Greg Rucka e J.H. Williams e fez sua primeira aparição – nesta sua versão moderna, como é chamada – em “Detective Comics”.

Além disso, a personagem teve seus próprios quadrinhos intitulados “Batwoman” – tanto em Os Novos 52 quanto em Renascimento – em que sua sexualidade não é velada, mas simplesmente parte de quem ela é. Kate tem relacionamentos com outras mulheres e a narrativa vale cada minuto do seu tempo.

2. Fugitivos

Eu sei que você pensou na série! E sim, estamos falando dos quadrinhos em que a produção do Hulu, que está disponível no Brasil pela Disney+, foi baseada. “Fugitivos” conta a história de um grupo de adolescentes que descobrem que seus pais compõem o grupo de piores supervilões do planeta.

Após a descoberta, eles decidem se rebelar contra seus pais e formam seu próprio grupo de super-heróis. Entre eles está Karolina Dean, também conhecida como Lucy in the Sky, que é abertamente lésbica. Somente nas HQs recentes que o romance com Nico Minoru acontece, entretanto, essas edições ainda não foram lançadas em terras tupiniquins.

Runaways é uma série melhor do que você poderia imaginar

3. Melaço

“Melaço” é um projeto de quadrinhos brasileiro que conta com sete histórias curtas e fechadas de amor entre mulheres. O livro é uma colaboração entre Aline Lemos, Bruna Morgan, Dani Franck, Dika Araújo, Jujuqui, Cita Hayata, Manu Negri, mtika e Talita Régis.

As narrativas são um deleite para o leitor recheadas de uma sensibilidade ímpar, momentos de descontração e conquistas, desses quadrinhos que a gente sempre retorna depois de um tempo para ler de novo.

4. Laura Dean vive terminando comigo

Se alguém vive terminando com você, isso é amor? - Editora Intrínseca

Esta não é uma HQ de romance com final feliz! “Laura Dean vive terminando comigo” mostra que na vida, infelizmente, nem tudo são flores. A trama conta a história de Freddy Riley, uma adolescente, que vive um relacionamento conturbado com Laura Dean, que vive terminando com ela e tudo decide na relação.

A trama retrata um relacionamento abusivo entre mulheres LGBTQIA+, assunto ainda pouco discutido dentro da comunidade e que merece nossa atenção.

Resenha | Laura Dean vive terminando comigo – história em quadrinhos destrincha o relacionamento abusivo

5. Lumberjanes

Da mesma criadora de “She-Ra e as Princesas do Poder”, ND Stevenson, “Lumberjanes” é uma série de HQs que conta a história de cinco amigas passando as férias de verão no acampamento Lumberjane. Lá elas enfrentam criaturas sobrenaturais como yetis, lobos de três olhos e falcões gigantes.

A narrativa é recheada de representatividade e conta com duas personagens sáficas que estão em um relacionamento: Molly e Mal Yoo; e uma personagens que se revela transexual durante a edição #17 que ainda não foi lançada no Brasil.


E vocês, gostam de histórias em quadrinhos? Tem alguma personagem favorita desse universo de quadrinhos com personagens LGBTQIA+? Conta para gente nos comentários!


Você sabia que o LesB Out! tem uma revista digital?! Confira clicando aqui!

Continue Reading

Literatura

Resenha | Obedecendo à estagiária – um romance adulto sáfico

Published

on

Ficha Técnica
Livro: Obedecendo à estagiária
Autora: Lorena Rodrigues
Número de Páginas: 108
Ano de lançamento: 2022


LIVRO RECOMENDADO PARA MAIORES DE 16 ANOS

Obedecendo à estagiária” é um romance da escritora Lorena Rodrigues, publicado pela Amazon, que promete um romance sáfico erótico entre Elisa Sartori, proprietária de uma construtora, e Bruna Ribeiro, estagiária da Sartori Construtora.

Tudo se inicia pré-carnaval, Bruna está se preparando para uma apresentação de uma proposta que pode lhe promover de estagiária à arquiteta da construtora em que trabalha, mas o que poderia ser uma tarefa fácil, não é, pois ela precisa se apresentar para sua detestável e desejável chefe, Elisa, que faz questão de jogar na sua cara que seu projeto é um lixo. E depois desse dia terrível, só resta a Bruna arrumar suas coisas e tentar esquecer em sua viagem de carnaval com as amigas.

Crítica | Por Trás da Inocência – longa-metragem com potencial não explorado

Contudo, as coisas mudam quando Bruna encontra sua chefe em uma festa de máscaras em que tudo é permitido, e a situação fica ainda melhor quando ela percebe que Elisa é do tipo que gosta de ser submissa, além de não tê-la reconhecido, por isso ela enxerga ali uma chance de se vingar da chefe, seduzindo-a, e dando-lhe o melhor sexo de sua vida, com toda dor, humilhação e prazer que ela aparenta gostar.

A premissa da história vem para preencher a falta de livros sáficos adultos, que se propõem a explorar a relação sexual entre mulheres, e para quem procura essas histórias, “Obedecendo à estagiária” nos deixa animadas desde as primeiras páginas quando lemos a nota da autora alertando sobre o alto teor erótico da narrativa, e que tem o objetivo de explorar as relações BDSM.

LesB Cast | Temporada 2 Episódio 02 – The Wilds e teorias para a segunda temporada

Entretanto, essa promessa se perde na metade do livro, após a primeira relação sexual entre as personagens, que sim, entrega erotismo, e nos apresenta um momento íntimo cheio de provocação e tesão; mas, logo após, a autora se perde um pouco no que se pretende, não conseguindo interligar o romance com sua promessa de uma história realmente erótica, que tem uma premissa de explorar o que ela chama de “práticas sexuais nada ortodoxas”.

Restando-nos o clímax da história, que fica reservado ao momento em que Elisa descobrirá a identidade da mulher com quem tem se relacionado, sua estagiária, contudo, nem esse momento é capaz de nos encantar tanto, diante da contradição narrativa gerada pelas próprias personagens. Afinal nem elas sabem o que realmente querem, ou sentem, estão com raiva ou apaixonadas? Ou se trata somente de tesão?

LesB Saúde | A descoberta tardia da sexualidade

E diante da falta de construção emocional das personagens, acabamos nos deparando com uma resolução preguiçosa do conflito, fazendo com que o grande clímax desta narrativa se resuma a uma conexão sexual inimaginável, capaz de resolver todo o conflito entre as personagens de “Obedecendo à estagiária”.

Ainda assim, os momentos íntimos partilhados entre Bruna e Elisa, principalmente a primeira relação entre elas, é capaz de satisfazer o interesse em uma história adulta entre mulheres, com enfoque nas relações de dominação e submissão.


Obs: livro recomendado para maiores de 16 anos.


Se você deseja adquirir este livro, compre pelo nosso link da Amazon, pois assim você ajuda a manter o site no ar! Só clicar na imagem abaixo 😉

LesB Nota
  • História
  • Personagens
2.5

Sinopse

Temida e respeitada por seus funcionários, a engenheira Elisa Sartori está acostumada a ser servida e obedecida sem hesitação. Mas, quando se trata de sexo, ela gosta mesmo é de se submeter a uma dominadora tão eficiente que a faça esquecer que, em horário comercial, ela é a Doutora Elisa. Sob uma máscara de Carnaval, entre as sombras da noite, a estagiária Bruna Ribeiro dá de cara com sua chefe em um lugar improvável. Mordida porque a Doutora Elisa desdenhou do seu trabalho horas antes, Bruna decide dar uma lição nela. Afinal, no sexo, ela tem muito mais habilidade em mandar do que em obedecer. Será que ela vai conseguir comandar esse jogo, sem colocar em risco seu emprego e seu coração? E a Doutora Elisa? Como vai reagir quando se der conta que a dominadora a quem ela está adorando obedecer é também sua estagiária?

Continue Reading

.

Resenha | Garotas de neve e vidro – uma leitura envolvente

Published

on

Ficha Técnica
Livro: Garotas de neve e vidro
Autora: Melissa Bashardoust
Editora: Plataforma 21
Número de páginas: 422
Ano de Lançamento: 2018


Estreia da americana Melissa Bashardoust na literatura, “Garotas de neve e vidro” é uma releitura envolvente do conhecido conto de fadas, Branca de Neve. Ao longo da narrativa nos encontramos com os clássicos personagens que conhecemos tão bem — o espelho, o caçador, a princesa e a rainha (não tão má) — e com acontecimentos que nos remetem à história original — a fuga da princesa facilitada pelo caçador, o envenenamento (ao estilo Romeu e Julieta) e o culto à beleza.

LesB Indica | Diário de uma Futura Presidente – sitcom com humor leve e acessível

Se eles a amarem por alguma coisa, vai ser por sua beleza.

No entanto, em oposição ao conto perpetuado pelos Irmãos Grimm, na história de Melissa Bashardoust, madrasta e enteada têm uma bela relação de confiança e cumplicidade. Lynet, a princesa criada à imagem e semelhança de sua mãe morta, para seguir os seus mesmos passos e assumir o destino que deveria ser dela, vê em Mina, a esposa de seu pai, o exemplo de mulher que queria ser: forte, altiva, impetuosa e invulnerável. Já Mina vê na enteada uma garota corajosa e nenhum pouco frágil, como o Rei acredita que ela seja. No entanto, Lynet também representa tudo o que ela perderá quando a princesa tiver idade suficiente para assumir o trono e tomar o seu lugar como Rainha, mas isso não a impede de desenvolver sentimentos maternais pela menina que viu crescer.

Ela passara anos desejando ser forte, porque achava que a mãe era fraca. Ela queria ser impetuosa e invulnerável como Mina, sem jamais ver que Mina tinha se tornado isso porque precisava se proteger do pai.

Mas além da relação afetuosa, o que também liga Mina e Lynet são os laços de sangue que as duas compartilham. Acontece que Mina, quando mais nova, teve seu coração adoecido e substituído por um coração de vidro, criado por seu pai, o temível mago Gregory, também responsável pela criação de Lynet, seu maior feito, que não nasceu pelos métodos tradicionais, como acredita; a princesa foi criada a partir da neve e, assim como o coração da madrasta, está viva graças ao sangue de Gregory.

No Diário (Out!) | Falo

As descobertas de suas criações mudam os rumos das vidas das protagonistas de “Garotas de neve e vidro”. Mina, pela falta de um coração orgânico, é convencida de ser incapaz de amar e ser amada, enquanto Lynet questiona a vida que não pode ter, em função às expectativas criadas sobre ela e a necessidade do seu pai em vê-la como um reflexo da Rainha morta.

Em meio a todos os conflitos psicológicos das personagens, a leitora é apresentada aos conflitos de interesses régios. Um reino dividido em dois: Primavera Branca, no Norte, o lar dos governantes, amaldiçoada a um inverno eterno, em que diz a lenda que foi após uma antiga Rainha, em luto pelo seu filho, se enforcar nos jardins do castelo; e o Sul, de clima mais agradável, mas que só prospera quando Mina, a rainha sulista assume poder sobre a área.

A produção de webséries para aplicativos de vídeos curtos

À leitora fica a pergunta: o que não pode faltar num conto de fadas? Um romance? Um beijo de amor verdadeiro? Pois bem, em “Garotas de neve e vidro” não poderia ser diferente. Melissa Bashardoust não peca em nenhum momento ao nos entregar uma relação coerente e muito bem desenvolvida, que vai te arrancar um sorrisinho bobo, ao mesmo tempo que julgará tudo “tão previsível(!!!!!)”.

Dividida entre os pontos de vista, os de Lynet (no presente) e os de Mina (que está entre o passado e o presente), a narração da obra é rápida e envolvente. De “só mais um capítulo” em “só mais um capítulo”, você só percebe que são cinco horas da manhã quando chega à página 422 morrendo de saudades das protagonistas, porque, pasmem, você devorou a obra e nem viu!

Continue Reading

Bombando

%d blogueiros gostam disto: