LesB Saúde | Higiene feminina e sua importância

No dia 25 de fevereiro de 2020, o parlamento escocês aprovou, em primeira votação, um projeto que disponibilizará gratuitamente produtos de higiene feminina, como absorventes internos/externos, em lugares públicos (centros comunitários, clubes, farmácias, etc.).

Mesmo que esse plano sanitário esteja sujeito a análise por um comitê e poderá sofrer alterações, é de grande impacto o seu teor progressista nesta década na qual as políticas públicas de cunho fundamentalista estão em ascensão, conquistando posição de poder no mundo.

No Brasil, o SUS oferece muitos tratamentos e meios profiláticos que evitam a proliferação de doenças, mas não há nenhuma disponibilização gratuita de tampões e pensos higiênicos nos centros de atendimento do Sistema Único de Saúde.

Uma grande parte da população brasileira, do sexo biológico feminino, não tem emprego e vive nas ruas. Por isso, é de suma importância que o governo brasileiro crie um plano a favor do melhoramento da saúde pública que atenda as necessidades das minorias marginalizadas, parecido com o modelo que está sendo proposto na Escócia.

As pessoas mais favorecidas, que não carecem desse tipo de amparo governamental, também podem planificar estratégias para doar artigos de asseio íntimo feminino para os que precisam. Em seguida, estão três sugestões para iniciar tal planejamento estratégico:

  1. Debater o assunto diariamente nos ambientes que você frequenta e com as pessoas que você convive;
    • As pessoas precisam saber sobre a existência dessa calamidade pública para engajar na causa e ajudar aqueles que precisam.
  2. Organizar grupos para doar e distribuir os produtos de higiene pessoal;
  3. Exigir dos governantes (vereadores, prefeitos, presidente, etc.) e órgãos reguladores uma postura mais eficaz para a solução de tal mazela social.

Ter pessoas sem acesso a produtos básicos de limpeza corporal é um problema de toda uma sociedade, porque higiene e saúde são direitos humanos que não devem ser negados a ninguém. Portanto, não se deve ignorar tamanha injustiça. Pagar por tampões e absorventes é o mesmo de pagar por uma taxa por ter nascido mulher ou pessoa de sexo feminino.

Caroline Forges

Caroline Forges

Caroline Forges é estudante de medicina. Ela já leu "Frankenstein" inúmeras vezes e gosta muito de ciência, arte e filosofia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *