Review | Humans – Episódio 3.03

A tensão entre Max (Ivanno Jeremiah) e Agnes (Holly Earl) só cresce a cada episódio. Preocupado com a possibilidade de haver synths responsáveis pela explosão no grupo que o procura, ele impede que sintéticos desconhecidos entrem no acampamento, deixando-a mais uma vez furiosa com suas atitudes. Apesar de dizerem que Mia (Gemma Chan) havia os enviado, ele prefere não correr risco e os manda buscar abrigo em outro lugar.

Exclusivo | Entrevista com Natasha Negovanlis sobre Carmilla, CLAIREvoyant, representatividade e muito mais

Enquanto Max começa a questionar suas decisões, Leo (Colin Morgan) tenta se ajustar a vida humana e Laura (Katherine Parkinson) continua sua cruzada na defesa dos direitos dos synths. Apesar de demonstrar que sintéticos podem colaborar com a humanidade e encontrar soluções para problemas globais, ela mais uma vez é calada pela maioria.

Crítica | The Feels – nem tudo é tão perfeito quanto parece

Embora esteja frustada com a comissão, Laura mantém seu apoio aos synths e decide ajudar Mia a colocar em prática seu plano em aproximar sintéticos e humanos, que consiste em mostrar ao mundo que os sintéticos são capazes de coexistir em harmonia.

O primeiro passo de Mia é alugar um loft e viver entre os humanos, porém ela acaba chamando a atenção de todos e da polícia. Os oficiais que tentam levá-la, tem sua mãos atadas quando ela os informa que sua “proprietária” a deu permissão para alugar o local. Ao contatarem Laura, os agentes ficam sem saber como agir, depois que a Sra. Hawkins dá uma de Olivia Pope (personagem vivida por Kerry Washington, na série “Scandal”) , defendendo a personagem de Gemma. A princípio já percebemos que a convivência com os humanos não será tranquila. Ela passa a ser monitorada 24 horas, além de ser vítima de intensos protestos.

Após um incidente, as lentes de contato de Sam (Billy Jenkins) acabam caindo, colocando seu segredo em risco. Por estar próxima da loja de Joe (Tom Goodman-Hill), Karen (Ruth Bradley) decide ir até o local e arrumar os olhos do pequeno synth. O talentoso jovem decide dar uma ajudinha com a placa de vendas e desenha com perfeição um morango. Joe que está preocupado com a presença de ambos, opta por ajudá-los, o primeiro passo é fazer com que o menino passe por uma criança normal, que faça desenhos desconexos e sem ordem.

CLAIREvoyant: leve, divertida e merece ser vista

Longe de Waltringhan, Niska (Emily Berrington) finalmente encontra o lugar em que o synth responsável pela explosão se esconde. Só que ao invés de encontrá-lo, ela recebe uma mensagem que a deixa ainda mais confusa: o que será que há por trás de tal mensagem?

No acampamento, Agnes continua a questionar as decisões de Max, só que dessa vez ela decide incitar seus irmãos e irmãs a ir contra ele. Ao rebater os ataques da mesma, ele diz a todos que Mia quer provar que a coexistência é possível e compartilha com todos o plano. Algo que me deixou intrigada é que no início do episódio, Max não permite a entrada dos synths, pois ele não tinha certeza se os sintéticos haviam sido enviados por Mia. No entanto, se ele está ciente dos planos dela, é porque em algum momento ambos conversaram, e se ela falou sobre suas intenções, com certeza o alertou dos synths, então por qual razão Max os rejeitou? Será que isso foi um erro de roteiro ou ele realmente está dando as costas ao seus irmãos, como apontou Agnes?

Na Estante | Imagine Eu & Você – uma leve história de amor

Em meio ao caos, surge entre os synths um culto que enxerga David Elster (Stephen Boxer) como Deus e o Day Zero como o primeiro passo para a evolução. Apesar de Max não compartilhar da crença, Anatole (Ukweli Roach) pede a ele para ter esperança de que um dia o sintéticos poderão viver livres.

Leo e Mattie (Lucy Carless) decidem explorar a vida noturna, enquanto Laura utiliza seu encontro com o Neil (Mark Bonnar) para descobrir os segredos que envolvem Basswood, porém a unica revelação que Dr. Sommer faz é que seu filho morreu num acidente gerado por um synth durante o Day Zero, é então que percebemos que talvez ele não seja o aliado que Laura precise.

Pro Mundo (Out!) | Arizona Robbins – tão humana que nem parece fictícia

A personagem de Parkinson se sente impotente dentro da Comissão Dryden e vai até Neah (Thusitha Jayasunderacom a intenção de entregar seu cargo. Ela a aconselha a pensar grande, porque serão as pessoas dentro daquela sala que irão decidir o futuro dos sintéticos. Laura, então, tem uma ideia! Ela pede a Max que receba a comissão no acampamento com o objetivo de mostrar quem são e como vivem as inteligências.

Max compartilha com seus irmãos que a Comissão Dryden irá visitá-los e, novamente, Agnes fica full pistola, só que desta vez ela toma a decisão de fazer algo… vai embora. (A personagem da Agnes é importante, porque mostra o lado radical do movimento, só que até então ela não tem feito nada, além de falar/reclamar. Porém, talvez agora ela tome uma atitude já que ao partir ela encontrou no seu caminho os restos do sintéticos que Max negou abrigo.)

Durante um passeio, Sam quase é atropelado e Karen não consegue ter nenhuma reação. Então descobrimos, que David Elster a programou para que ela não machuque a si mesma, igual sua mulher havia feito. A sintética começa a questionar a capacidade em ser mãe.

The Bold Type e a repetição do plot de traição em produções LGBTQ+

Esse episódio deixou muitas perguntas, o que o sintético responsável pela explosão quer com Niska? Será que Agnes vai finalmente tomar alguma atitude contra Max? Será que Laura conseguirá convencer a comissão a dar uma chance aos synths? E Karen, como ela irá lidar com o fato de que ela nem sempre conseguirá proteger Sam?

Lua Barros

Lua Barros

Lua Barros é estudante de Produção de Multimídia, bissexual e Belenense. O sonho dela é dar um murro na poc da CW.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *