Primeiras Impressões | As Five

“As Five” finalmente chegou! O aguardado spin-off de “Malhação: Viva a Diferença” estreou na última quinta-feira aquecendo o coração dos fãs. Depois de um Emmy Internacional e o movimento absurdo do fandom nas redes sociais, a Globo resolveu investir em uma continuação da história das cinco amigas, agora com uma pegada mais adulta, mas sem fugir da essência que fez com que essa temporada fosse uma das de maior sucesso da novela adolescente.

Criado por Cao Hamburger, que também foi o responsável pela temporada de “Malhação”, “As Five” acompanha Benê (Daphne Bozaski), Ellen (Heslaine Vieira), Keyla (Gabriela Medvedovski), Lica (Manoela Aliperti) e Tina (Ana Hikari) seis anos depois do fim de “Viva a Diferença”. Agora elas precisam enfrentar os problemas da vida adulta e lidar com relacionamentos, emprego e a amizade entre elas depois de anos afastadas.

“Viva a Diferença” e o spin-off “As Five”: a representatividade que a gente quer e precisa

A expectativa de manter amizades de infância e adolescência para sempre, na maioria das vezes, é bem diferente da realidade e a série já começa abordando isso. A união entre as cinco foi a coluna vertebral da temporada de “Malhação”, mas seis anos se passaram e cada uma seguiu seu caminho, cada uma em uma outra realidade. Então, obviamente, vai existir atrito. Por mais que a conexão ainda esteja ali, elas são pessoas diferentes, e gostei que a produção já trouxe essas mudanças logo de cara. Em um grande caos em um velório.

“Viva a Diferença” começou com um nascimento que uniu as cinco amigas e agora temos uma morte servindo com o mesmo propósito, em um choque de realidade na mudança entre a adolescência e a vida adulta. Estes primeiros 40 e poucos minutos da nova jornada das meninas serviu para nos mostrar onde cada uma está em sua vida, ao mesmo tempo que já abriu as portas para futuros desenvolvimentos que serão explorados. 

Tina continua sofrendo as consequências da relação conflituosa com a mãe; Keyla, agora sozinha, precisa cuidar do filho e do emprego; Benê, que até então estava com uma vida estabilizada, tem uma ruptura ao descobrir que o namorado é gay; Ellen seguiu com a vida de estudos, agora morando nos Estados Unidos, mas parece questionar algumas decisões de sua vida; e Lica, a eterna adolescente, ainda perdida na vida, sem perspectiva de futuro e claramente ainda não superou a ex-namorada.

Conheça The Prom – o musical da Broadway que será adaptado pela Netflix

Apesar da Tina ainda manter esse plot do atrativo com a mãe, acrescenta uma nova camada ao chegar no ponto em que a mãe dela morreu. Ao mesmo tempo que pode existir um sentimento de “liberdade”, as marcas ainda estão ali, não é como se tudo fosse mudar da noite para o dia. Será interessante ver como esse fantasma irá influenciar a vida da jovem agora.

Uma outra dinâmica que promete trazer momentos incríveis será a convivência entre Lica e Benê. As duas completamente opostas, mas que tem muito o que aprender uma com a outra. Já neste primeiro episódio tivemos um leve aperitivo disso, com elas conseguindo entrar em um acordo. A presença mais próxima da personagem de Daphne pode ser fundamental nesse momento de transição da Lica.

Resenha | A grande chance de Ana Luna – livro leve sobre representatividade

E por falar nela, não podemos deixar de falar do casal que conquistou nossos corações: Limantha. A separação entre as duas faz sentido, mesmo que a gente não saiba ainda o motivo disso ter acontecido. Lica e Samantha (Giovanna Grigio) estão em momentos bem diferentes de suas vidas, com uma totalmente sem planos para o futuro e a outra com a vida bem encaminhada. E ainda tenho o termo “sufocada” enfatizado pela mãe da Lica durante este episódio, que pode ser mais um fator para este término.

Mas ficou claro, neste piloto, que ainda existe um respeito e carinho de ambas as partes. A atenção que a Samantha dá para Lica, o nervosismo da Lica na presença da ex. Existe ainda um sentimento ali e ansiosa para ver o desenvolvimento disso.

Enquanto isso, Keyla agora totalmente sozinha e precisando dividir o tempo entre filho e trabalho. Ela é, com certeza, a personagem que tem a realidade mais diferente entre todas as amigas e que me deixou mais tensa durante esse começo e curiosa para saber como ela ficou assim totalmente sem amparo. Em contrapartida, o plot da Ellen foi o que tive menos conexão, acho que só essa situação de casamento não vai ser o suficiente para atrair minha atenção ao longo da temporada e espero que ela não seja deixada mais de lado por causa disso.

Com muitos acontecimentos e a necessidade de recriar uma base para essas cinco amigas, o principal problema deste piloto foi o ritmo como as coisas foram acontecendo. Principalmente na primeira metade, tudo acontece muito rápido. Parece que eles tiraram os primeiros vinte minutos para fazer um grande resumo da vida de cada uma, jogando informações loucamente e ainda criando atritos para serem desenvolvidos ao longo da temporada.

Review | A Maldição da Mansão Bly – terror emocional que merece sua atenção

Mesmo para quem já tem uma base com a MVAD esse começo foi mais informação do que o necessário, imagino então a confusão que deve ter sido para quem caiu de paraquedas nessa produção, sem conhecer essas personagens. Mas ao mesmo tempo, este excesso de informação pode ter ajudado quem ainda não conhece esse universo a estabelecer as conexões entre elas e os outros personagens. Ainda assim, a forma como isso foi entregue poderia ter sido mais suavizada, talvez em um episódio duplo para conseguir trabalhar melhor as situações.

Mas os pontos positivos se sobressaem. Se “Viva a Diferença” já chamou atenção por tratar de temas mais próximos da realidade dos adolescentes e com uma pegada mais crua, “As Five” vai além. Sem a limitação de estar às 17h na TV aberta, a nova produção tem mais liberdade para explorar alguns temas que já estavam presentes nas vidas delas, mas de forma muito tímida. “Malhação” com sexo, drogas e palavrões? É exatamente isso. E eles conseguiram fazer isto de forma bastante orgânica, a mudança não foi forçada. E isto graças a uma produção bastante caprichada em diversos aspectos, desde o texto até as atuações e fotografia.

LesB Indica | Lúcifer – produção baseada em quadrinhos é divertida de assistir

A série tem um potencial enorme e eles conseguiram nos mostrar nesse primeiro momento que estão dispostos a explorar ao máximo. Eu não acompanhava “Malhação” já há vários anos até que “Viva a Diferença” caiu no meu colo e acabei me apaixonando por essas cinco amigas. A expectativa era alta para essa continuação mais adulta e eles conseguiram entregar um excelente trabalho. Ansiosa para ver o futuro de “As Five”!

Grasielly Sousa

Grasielly Sousa

Jornalista nascida no Rio de Janeiro e atualmente morando em Fortaleza. Cresci assistindo filmes da Sessão da Tarde, Dragon Ball e Xena: A Princesa Guerreira. Constantemente falando coisas aleatórias sobre cinema, séries e tv e música.

Deixe uma resposta