Na Estante | Saving Face: o que é ser mulher e lésbica numa família tradicional

“Saving  Face” ou “Livrando a Cara” é um filme de 2004 dirigido por Alice Wu, e conta a história de Wil Pan (Michelle Krusiec), uma jovem médica que sofre pressão por ainda estar solteira aos 28 anos. Parte dessa intimidação vem de sua família tradicional, que também expulsa a sua mãe, Ma (Joan Chen) de casa quando descobre que a mesma está grávida.

Entrevista com Natalie Smith da websérie “A Melhor Amiga da Noiva”

Na primeira parte da narrativa a médica tem que lidar com a pressão por ainda não ter arrumado um pretendente, mas as coisas mudam quando Wil conhece a bailara bailarina Vivian (Lynn Chen), as duas mulheres se apaixonam e começam um relacionamento às escondidas.

Pro Mundo (Out!) | Elena Alvarez e a representatividade lésbica na televisão

Enquanto isso, Ma vive as consequências de ser mãe aos 40 e poucos anos e pior ainda, solteira. Esses preconceitos que mãe e filha passam não vem só de uma família tradicional chinesa, mas também da sociedade como um todo, que acreditam que as pessoas precisam seguir o mesmo padrão de vida. Como por exemplo, ter a idade certa para ter filhos e ainda por cima a obrigatoriedade de ser uma mulher casada.

Assim com toques de humor, a obra mostra que apesar da mãe de Wil sofrer preconceito por parte do grupo social em que vive, ela também causa a mesma pressão em sua filha, já que nunca aceitou que Wil é gay, e sempre impôs que sua primogênita escondesse sua sexualidade.

Estação Queer: Abrindo o Armário ganha sessão especial

Desse modo a história vai se desenvolvendo a partir desta opressão que a médica sofre, o que reflete diretamente no relacionamento que Wil tem com Vivian, já que a bailarina não tem medo de mostrar quem ela realmente é para a sociedade. O envolvimento das duas traz uma representativa ao mostrar como um casal não assumido funciona, as dificuldades que as duas tem, já que Vivian tem pressa e quer viver a sua vida, ao passo que é impedida pelo medo de da personagem de Krusiec.

“Saving Face” mostra de forma descontraída e leve os preconceitos que são construídos dentro de uma cultura e da sociedade, e que a melhor forma de combatê-los é encarando de frente e estando ao lado de quem realmente é seu amigo e se importa com seu bem.

Resenha | Orphan Black: Crazy Science #1 – um presente aos fãs de Cophine

Gabriela Maciel

Gabriela Maciel

Gabriela Maciel é estudante de jornalismo, viciada em assistir séries e acredita que a vida é dividida em temporadas. Ela é de Manaus e ama brigadeiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *