LesB Saúde | População LGBTQIA+ e depressão

Depressão, uma palavra que ainda assusta muitas pessoas e que, cada vez mais, afeta a população geral e é, juntamente com a ansiedade, uma grande questão para a saúde mental da população LGBTQIA+.

LesB Saúde | População LGBTQIA+ e ansiedade

A Depressão é um distúrbio psíquico descrito pelo rebaixamento do humor de forma consistente por longos períodos de tempo (no mínimo de seis meses, para a maior parte dos manuais psiquiátricos). Muitas vezes aparece juntamente da ansiedade, causando problemas que afetam as pessoas de várias formas e tornam difíceis tarefas cotidianas.

Cada vez mais existem estudos sobre questões deste distúrbio, tentando entender suas causas e forma de tratamento e cura, e por mais que ainda não tenham respostas fechadas, o que se sabe é que a Depressão se dá por uma mistura de fatores, biológicos e ambientais. Por conta disso, com as dificuldades apresentadas em simplesmente serem aceitos e terem uma vida da maneira que se sentem melhores, vivendo assim em ambientes que não são saudáveis, a população LGBTQIA+ sofre muito com questões de Depressão.

LesB Indica | Lizzie – longa-metragem baseado na história real de Elizabeth Borden

Já sendo um problema recorrente, com a Pandemia de COVID-19 no ano de 2020, as queixas de Depressão para os LGBTQIA+ só aumentou. Isso ocorre em grande parte pois, além da questão de mudanças que a própria pandemia trouxe, as regras de distanciamento e isolamento social acabaram afastando as pessoas de suas redes de apoio, muitas vezes, inclusive, as deixando em casas com familiares que não as aceitam.

Um ponto importante é que é possível existirem sintomas depressivos sem ter a Depressão já instalada, isso pode demonstrar que a pessoa ainda não se encaixou nos sintomas diagnósticos ou que então pode estar passando por outras situações de sofrimento psíquico, que devem ser vistos com tanta importância quanto.

Visibilidade Lésbica | 30 personagens lésbicas das séries de TV e streaming

Além disso, cada vez mais a forma de se lidar com esse distúrbio é com o uso de medicamentos psiquiátricos. É preciso lembrar, no entanto, que existem vários tratamentos que podem dar resultados, sendo um grande exemplo o atendimento psicológico, que buscará entender questões como a raiz do problema e possibilidades de lidar com ele. 

É importante que, cada vez mais, entenda que se buscar ajuda é necessário. Sofrer sozinho só piora as situações, e falar para os outros, amigos ou profissionais, que não está bem e pedir apoio, por mais difícil que pareça, é o que vai trazer as mudanças. 

Carol Moreno

Carol Moreno

Carol Moreno é estudante de psicologia, bissexual e do interior de São Paulo. Ama todos os filmes, séries e webseries com personagens LGBTQ+, espera um dia conseguir assistir tudo que coloca na sua listinha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *